6 sinais de que o resfriado é mais sério do que você pensava

Ao notar a presença de algum deles, consulte um especialista e corte o mal pela raiz

1. A tosse não passa

Sintomas que duram entre duas e três semanas não devem causar tanta preocupação, mas se você perceber que já se passaram 21 dias e aquela tosse chata insiste em não ir embora, é melhor procurar um otorrinolaringologista. Pode ser sinal de asma ou outra patologia envolvendo o pulmão.

2. Os sintomas voltam ainda mais fortes

Se você sentir que está se recuperando e, de repente, sofrer uma recaída, não perca tempo e consulte um especialista. O reaparecimento da febre, por exemplo, indica que o corpo está sofrendo com algum tipo de infecção secundária, como bronquite ou pneumonia.

Leia mais: Saiba quais chás são boas alternativas para substituir remédios

3. O catarro não está transparente

O normal, mesmo em casos de resfriados, é que a secreção nasal seja clara. “Quando o muco começa a ficar amarelado ou esverdeado isso pode ser um sinal de sinusite aguda”, alerta Fausto Nakandakari, otorrinolaringologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Vale ficar de olho também se não há sangue misturado ao fluido.

4. Os olhos estão coçando muito

Incômodo e coceira excessiva na região dos olhos indicam que o problema é uma alergia e não um resfriado comum. “O gatilho pode ser a poeira, pelos de animais ou até mofo”, conta Nakandakari.

Fique por dentro: Gripe, resfriado ou alergia: saiba identificar os sintomas

5. Seu peso está diminuindo 

Resfriados não são capazes de alterar o ponteiro da balança. Caso isso esteja acontecendo, procure um médico, pois sintomas de resfriado combinados à perda de peso podem ser sinônimos de mau funcionamento da tireoide, infecção bacteriana ou até mesmo alguns tipos de câncer.

6. Você  sente pressão pelo corpo

A sensação de dor ou pressão em alguma parte específica do corpo, como garganta, boca ou ouvido, pode indicar outros tipos de encrencas, como faringite, sinusite e infecções. “Nesses casos, é preciso fazer um tratamento com anti-inflamatórios e antibióticos”, orienta Nakandakari.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s