Transar ao menos uma vez por semana pode retardar envelhecimento

Estudo feito só com mulheres mostra que aquelas que fazem mais sexo têm telômeros mais longos – fator importante contra os efeitos do avançar da idade

Não é segredo para ninguém que transar com frequência traz um bem danado – e não só em termos emocionais. Fazer sexo pelo menos uma vez por semana também teria efeitos na longevidade, segundo um estudo publicado em março de 2017 no periódico científico Psychoneuroendocrinology.

De acordo com Tomás Cabeza de Baca, líder do estudo, a pesquisa conduzida por um grupo da Universidade da Califórnia em São Francisco, nos Estados Unidos, notou que “as mulheres que afirmavam ser sexualmente ativas ao longo da semana apresentavam telômeros significativamente maiores do que aquelas que não faziam sexo com frequência”, afirmou ao site PsyPost.

Estamos falando de estruturas que protegem os cromossomos contra danos e mantêm a integridade do DNA. Quanto mais curto o telômero, mais fracas ficam as células, o que pode afetar tanto a aparência quanto a saúde – aumenta o risco de doenças degenerativas, como Alzheimer, e de morte prematura, por exemplo.

Leia mais: Mito derrubado: mulheres que preferem orgasmo clitoriano não são menos felizes

Segundo os autores do artigo, esse é o primeiro trabalho a mostrar que existe relação entre uma vida sexualmente ativa e a qualidade dos telômeros. A investigação incluiu 129 mulheres, e as características cromossômicas delas foram analisadas a partir de exames que mapeavam o sangue do corpo todo das participantes.

Os resultados se mantiveram mesmo considerando fatores como a qualidade dos relacionamentos das voluntárias e o stress que elas sofriam. “O comprimento do telômero e a atividade da telomerase [enzima que protege essas estruturas do envelhecimento] não foram associados à satisfação no relacionamento e a interações positivas/negativas com o parceiro”, comentou Baca.

Entenda: Será que o exercício pode levar ao orgasmo?

Os próprios pesquisadores ponderam, no entanto, que é preciso investigar mais a fundo a questão. “Esperamos que o próximo passo seja coletar dados de uma amostra maior e mais diversa de mulheres, para explorar os efeitos a longo prazo da rotina sexual no comprimento dos telômeros”, afirmou o expert à publicação. A ideia é fazer estudos também com homens para avaliar as diferenças entre os sexos. E, por enquanto, pode continuar aproveitando muito a vida com seu parceiro entre quatro paredes. Seus cromossomos agradecem.

Fique por dentro de tudo o que rola no mundo fitness com a newsletter da BOA FORMA

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s