O que acontece quando você troca o purê de batata por purê de mandioquinha

Se a mandioquinha já conquistou o seu coração, descubra se vale a pena apostar na raiz

Por Eliane Contreras - Atualizado em 27 out 2016, 20h18 - Publicado em 8 out 2015, 10h50

A troca vale a pena. Apesar de a mandioquinha ter 125 calorias em 100 gramas, e a batata, 85, a primeira raiz tem um índice glicêmico (IG) mais baixo. “O segredo está na concentração de fibras solúveis – substâncias que fazem com que a mandioquinha demore mais para ser transformada em açúcar no sangue, evitando a produção excessiva de insulina (o hormônio aliado do peso extra)”, diz a nutricionista Tarcila de Campos, de São Paulo. A receita pode ficar ainda mais adequada para a dieta se você combinar a mandioquinha com outras raízes de IG baixo, como o inhame e a batata-doce. Outra sugestão: transformar o purê em sopa. Refogue um pouco de cebola com um fio de azeite, adicione o purê de duas ou três raízes, junte água fervente, deixe engrossar e ajuste o sal.

Publicidade