Beleza

Acne e quarentena: por que estou com mais espinhas?

.

O isolamento social não trouxe somente mudanças na rotina e na nossa mente. A pele também está sofrendo transformações, e o aparecimento de espinhas pode ser um deles. Qual será a relação entre acne e quarentena?

Por conta do isolamento social, muita gente deixou o uso diário de maquiagem de lado. Os cuidados com a pele, pelo contrário, tem tudo para ganhar mais atenção: com mais tempo em casa, dá para aplicar aquela máscara enquanto você trabalha, ou apostar em algum tratamento com ácido (já que o sol é um vilão desse tipo de cuidado).

Sendo assim, por que algumas pessoas têm relatado ainda mais cravos, poros entupidos e espinhas? BOA FORMA investigou as possíveis causas da relação acne e quarentena.

O que é a acne?

A cosmetóloga Joyce Rodrigues (@drajoyce_rodrigues), CEO da Mezzo Dermocosméticos (@mezzodermocosmeticos), explica que a acne é um dos problemas de pele mais comuns entre os brasileiros. E engana-se quem pensa que ela só aparece na puberdade ou em decorrência da exposição solar excessiva. “É uma doença multifatorial, uma lesão causada pelo aumento da produção de sebo vinda das glândulas sebáceas. Esse excesso de oleosidade obstrui os poros e aumenta a proliferação de bactérias, resultando nos comedões, que chamamos mais comumente de cravos.”

Quando ocorre a inflamação dos cravos, aparece a espinha. Hereditariedade, predisposição genética, infecção por bactérias, alterações na produção de hormônios sexuais e até o estresse emocional são considerados fatores de risco para a manifestação ou agravamento da doença. De acordo com Joyce Rodrigues, existem 5 principais graus de acne, e seus tratamentos variam conforme a gravidade:

Grau 1: Não Inflamatória ou Comedônica. É a forma mais simples de acne, que surge na maioria dos casos durante a adolescência, caracterizada por cravos na testa, nariz e bochechas.

Grau 2: Pápulo-pustulosa. É a presença de cravos, espinhas, pápulas e pústulas que são elevações da pele que contém pus.

Grau 3: Nódulo-quística. Presença de nódulos internos sob a pele, no rosto, costas e tórax, geralmente bem avermelhadas e doloridas.

Grau 4: Conglobata. Um conjunto de lesões próximas umas das outras com pus, com abscessos e fístulas na pele, causando deformações e irregularidades na pele.

Grau 5: Fulminante. É uma forma rara de acne que surge repentinamente e é acompanhada de febre, dor nas articulações e mal-estar. Este tipo é mais comum nos homens, regiões do peito, costas e rosto.

Acne e quarentena: possíveis explicações

Como dito anteriormente, a acne é um problema multifatorial. Isso quer dizer que vários podem ser os motivos para ela estar aumentando ultimamente.

Estresse e cortisol

“Nosso estado mental pode sim causar prejuízos para a pele. Um deles é o aumento do cortisol no organismo, conhecido também como o hormônio do estresse. Ele gera picos de processos inflamatórios no corpo e aumenta os radicais livres, o que exacerba a oleosidade da pele e piora as lesões”, diz a cosmetóloga. É comum a acne estar associada, nesses casos, à dermatite seborreica, outra doença que pode ser provocada pelo estresse. No atual estado em que nos encontramos, em meia à pandemia de coronavírus, é possível que essa fator seja um dos determinantes para sua acne, mesmo que você mantenha os cuidados indicados.

Higiene do couro cabeludo

Você pode ter até abdicado da maquiagem. Mas se não anda lavando o cabelo com tanta frequência, é possível que a oleosidade do couro cabeludo esteja obstruindo os poros do rosto. Isso porque ela passa de uma região para a outra sempre que a gente passa a mão nos fios.

Má alimentação

“A microbiota intestinal é outro fator que influencia em muito na qualidade da pele. O consumo de alimentos muito gordurosos ou açucarados, por exemplo, provocam uma maior ocorrência de cravos e espinhas”, explica a farmacêutica Claudia Coral, vice-presidente da Galena (@galenafarmaceutica). E, como situações estressantes tendem a nos fazer comer “mal”, esse fator muitas vezes acaba se somando ao estresse.

Diminuição das atividades físicas

Apesar de ser uma causa mais pontual, o abandono dos exercícios também tem a ver com a acne. Afinal, com menos movimento no dia a dia, o corpo libera menos hormônios e neurotransmissores relacionados ao bem-estar. E aí, o estresse e o cortisol podem dar as caras.

Pouca ingestão de água

Você anda prestando atenção no consumo de líquidos? “A água limpa o organismo e tem um efeito detox. Por isso, não devemos beber menos só porque estamos em casa”, afirma Joyce Rodrigues. São recomendados 35ml de líquidos para cada quilograma de peso corporal por dia.

Como melhorar a acne na quarentena

Primeiro, é preciso manter os cuidados e higiene da pele e couro cabeludo. “Não fique tanto tempo sem lavar o cabelo”, aconselha Joyce Rodrigues. A frequência depende muito, é claro, do tipo de fio e se você pratica exercícios físicos ou não (que deixam o couro cabeludo mais sujo e oleoso).

De acordo com a cosmetóloga, quem possui a pele acneica deve lavá-la pelo menos duas vezes ao dia. “É importante também evitar esponjas – a espinha pode conter bactérias, que serão transportadas para o objeto quando você esfregá-lo no rosto. Além disso, use sempre água fria. A alta temperatura do chuveiro promove a vasodilatação e aumenta a oleosidade”, ela diz. Na hora de secar, troque toalhas de corpo e mãos por uma individual ou até lenços de papel, e dê leves batidinhas na região para tirar o excesso de umidade.

Se as espinhas aparecerem em outras regiões do corpo, use uma bucha vegetal no banho uma vez por semana. “Ela melhora quadros de foliculite e pelos encravados, que geram processos de acne”, explica Joyce.

Em quais ativos investir

Procure por esses ativos na lista de ingredientes quando for atrás dos seus cremes de cuidados com a pele:

P-Refinyl

Cremes com o ativo são bons para serem usados de dia, pois contraem os poros e diminuem o excesso de oleosidade da pele.

Ácido salicílico

Com propriedade queratolítica (esfoliantes) ele retira as camadas mais superficiais da pele e desobstrui poros, agindo diretamente nas bactérias causadoras da acne.

Ácido hialurônico

Hidrata a pele sem interferir na acne.

Zinco

Tem ação anti-inflamatória e antioxidante.

Cianamida

Melhora a hidratação da cútis e evita manchas e escurecimento causados pela acne. 

Turmeria zen

“Ativo derivado da cúrcuma, contribui para a diminuição dos efeitos do cortisol na pele”, explica Claudia Coral. 

Prebióticos e probióticos

“Para uso oral, controlam a liberação de sebo e ajudam a clarear manchas de espinhas. Invista também em alimentos com alto teor de fibras.”