Mulheres confundem problemas na tireoide com sinais de stress

É o que aponta uma pesquisa feita em sete países, com mais de 6 mil voluntárias

Cansaço, falta de motivação, dificuldade de se concentrar e infertilidade: o que esses problemas têm em comum? “Todos são causados pelo stress”, você pode responder. Certo, mas… nem sempre! Esses também podem ser sinais de que algo está errado com a tireoide.

As disfunções nessa glândula são mais comuns em mulheres. Para ter ideia, aos 60 anos de idade, 17% delas apresentam hipotireoidismo (tireoide pouco ativa) ante 8% entre os homens. Quando se trata do hipertireoidismo (muita liberação de hormônio), o cenário não muda: a encrenca é dez vezes mais comum no sexo feminino do que no masculino.

Leia mais: Cansada e com dificuldade de controlar o peso? Investigue a tireoide

Mas, mesmo tão expostas às disfunções tireoidianas, a mulherada não está ligada nos sinais relacionados a elas. É o que demonstra uma pesquisa global encomendada pela empresa alemã de ciência e tecnologia Merck, que incluiu 6.171 voluntárias de setes países: Brasil, México, Chile, Itália, Arábia Saudita, Indonésia e França.

O levantamento mostra que a maioria das participantes desconhece os sintomas de distúrbios na tireoide ou relaciona-os apenas à rotina corrida que se leva atualmente. Quase metade das entrevistadas (49%) não suspeitou que o fato de sentirem-se cansadas/lentas todos os dias poderia ser causado pelo mau funcionamento da glândula localizada no pescoço. O mesmo vale para o sentimento de agitação e/ou dificuldade para dormir.

No Brasil

Por aqui, as mulheres até associam a tireoide ao problema para ganhar ou perder peso ou à sensação constante de cansaço. Só que, segundo a pesquisa da Merck, a pouca capacidade de concentração, a falta de motivação, a ansiedade e irritabilidade são questões que as brasileiras não costumam relacionar aos males tireoidianos — que também podem estar por trás da infertilidade e da perda de audição, outros elos desconhecidos pelas participantes nacionais.

Diagnóstico e tratamento

A principal forma de identificar o hipo ou o hipertireoidismo é por meio da dosagem de TSH, substância que estimula a glândula a trabalhar. É ela que promove a produção de T3 e T4, hormônios que definem o ritmo de funcionamento de todo o organismo.

Entenda: Hipotireoidismo e hipertireoidismo: conheça a diferença entre os dois problemas

No caso do hipotireoidismo, o tratamento é feito a partir da reposição hormonal – que deve ser feita para o resto da vida. Já a terapia do hipertireoidismo pode se dar tanto a partir de medicamentos que impedem a glândula de produzir novos hormônios quanto por meio da destruição do tecido da tireoide com iodo radioativo ou cirurgia.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s