Pés ressecados durante a quarentena: causas e soluções

Dermatologistas explicam porque eles estão ressecados mesmo sem o uso de calçados

Por Larissa Serpa - 8 jun 2020, 07h01

Em época de frio, é comum os pés ficarem mais ressecados devido aos banhos quentes e à menor ingestão de água mas, em meio ao isolamento social consequente do coronavírus, esses podem não ser os únicos culpados. Descubra as causas para os pés ásperos durante a quarentena, como reverter e qual o melhor calçado para ficar dentro de casa.

Como o ressecamento ocorre

“A pele na região da planta dos pés tem em média seis milímetros e é composta pela epiderme, que possui a camada lúcida. Ela é uma área mais rica em corneócitos, que produzem queratina, por isso ela é mais espessa”, explica Cláudia Marçal, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

Alguns fatores fazem com que ocorra o acúmulo excessivo dessa queratina, o que resulta em pés mais ásperos e espessos. “A produção maior da queratina é uma resposta do corpo de autoproteção, para proteger a região”, completa.

Causas dos pés ásperos

  • Sujeira

“Os pés descalços, em contato direto com o chão, deixam a pele exposta a poeira e impurezas, fazendo com que ela perca a umidade natural e resseque”, diz Paola Pomenranztzeff, dermatologista membro da SBD e da SBCD.

  • Atrito

Segundo Paola, o atrito constante com o chão pode desgastar os pés, fazendo com que ele produza mais queratina para se proteger.

  • Banho quente

A alta temperatura faz com que o corpo perca o manto de proteção natural da pele. Em contrapartida, a epiderme produz mais queratina.

Continua após a publicidade
  • Excesso de peso

Se você ganhou alguns quilos durante a quarentena, seus pés podem estar estranhando. “O sobrepeso gera uma maior pressão sobre os pontos de apoio e, como mecanismo de defesa, e pele se prolifera mais para prevenir bolhas e lesões, ficando mais áspera”, explica Kédima Nassif, dermatologista e tricologista, membra da SBD, SBCD e da Associação Brasileira de Restauração Capilar.

  • Psoríase e outras doenças dermatológicas desencadeadas com fatores emocionais

Algumas condições dermatológicas genéticas são pioradas com o estresse (muito comum em tempos de coronavirus).

Posso ficar descalço dentro de casa?

As profissionais concordam que, dentro de casa, a melhor opção é colocar meias, pantufas ou um chinelo confortável. “Não fique descalço pois o calçado protege a sola contra o atrito e as impurezas do chão, que ressecam a pele”, diz Kédima.

Como melhorar os pés ásperos

Se o excesso de pele na região é muito, Claudia ensina que deve ser feita uma esfoliação, mas sem o uso de lixas. “Quanto mais agressivo for o tratamento, maior será o efeito rebote da pele, produzindo ainda mais queratina para compensar”, diz. Em vez disso, a profissional indica o uso de esfoliantes de base natural. “Como solução caseira, podemos usar sal grosso em uma emulsão de óleos naturais ou então misturar açúcar e mel. A esfoliação em si, por sua vez, deve ser feita em movimentos circulares e seguida de hidratação na região”, completa Claudia.

Para essa segunda etapa, de hidratação, preste atenção nos ativos presentes no creme. “Em termos gerais, manteigas e cremes ricos em uréia, com baixo teor de ácido salicílico, podem ajudar”, indica Kédima.

E, no dia a dia, para evitar que seus pés cheguem nesse ponto, Paola explica que você deve usar os calçados adequados, beber bastante água, evitar banhos quentes e hidratar diariamente. “Idealmente, passe o creme após o banho, com a pele ainda úmida”, hora em que a absorção pela pele é maior. E espere até que o creme seque antes de colocar meias. “Muitas pessoas passam o hidratante e já vestem meias, mas elas absorvem o hidratante, roubando da hidratação dos pés”, diz Paola, que também dá a dica de “encapar os pés”, embrulhando a região em plástico filme por 20 minutos após a hidratação, para potencializá-la.

Continua após a publicidade
Publicidade