Cosméticos sem fragrância são melhores?

Apesar do cheiro agradável, as fragrâncias representam um componente químico a mais nos produtos - o que nem sempre é indicado

Por Amanda Ventorin Atualizado em 19 jan 2022, 15h07 - Publicado em 24 jan 2022, 10h00

Comumente atrelados aos produtos de beleza e skincare, as fragrâncias estão presentes em quase todos os cosméticos na nossa prateleira, especialmente aqueles mais “premium”. Segundo Joyce Rodrigues, farmacêutica bioquímica, muitas vezes essas fragrâncias estão atreladas ao prestígio social ou econômico.

Mas claro que elas também podem despertar sensações olfativas positivas baseadas em nossas emoções.

Porém, apesar da essência agradável, elas representam um composto químico a mais no produto, que muitas vezes pode ser causar reações adversas, como hipersensibilidade ou reações alérgicas. Afinal, é melhor evitar as fragrâncias?

O que são fragrâncias?

Uma fragrância é um composto químico que possui cheiro ou odor. Esses compostos podem incluir materiais sintéticos e matérias-primas aromáticas naturais de plantas.

As fragrâncias sintéticas, de acordo com Heloisa Olivan, bioquímica e cosmetologista do Instituto Olivan, são fabricadas em laboratório, através de processos químicos e imitam as naturais. “Tem um lado benéfico, pois poupa a exploração dos recursos naturais, já que para a obtenção das fragrâncias naturais são necessárias toneladas de plantas para produzir apenas alguns poucos quilos de óleo essencial”. Porém, as fragrâncias sintéticas não são reconhecidas pelo corpo (por não estarem presentes na natureza e terem diversos componentes químicos), o que pode desencadear uma reação adversa.

Já as fragrâncias naturais são obtidas de óleos aromáticos extraídos apenas de fontes diretas da fauna e flora, sem processos industriais. Essas fontes de essências aromáticas podem ser flores, folhas, madeira, sementes, raízes, caules e resinas. “Um óleo essencial é composto por mais de uma centena de tipos diferentes de substâncias nas mais variadas concentrações. Duas classes de compostos químicos estão presentes em concentrações mais significativas: os terpenos e os compostos aromáticos. Alguns exemplos dessas substâncias são: geraniol, linalool, citronellal, citronellol, citral e benzyl benzoate”, compartilha a profissional.

Seu papel na cosmetologia

Pesquisas de consumo apontam que 85% dos consumidores brasileiros estão dispostos a pagar mais por um produto que possua uma fragrância que eles realmente gostem. “As fragrâncias são elementos fortemente ligados a aspectos culturais milenares, passados de uma civilização à outra. São carregadas de memórias, sentimentos e traços que definem a personalidade de uma pessoa” conta Heloisa.

Continua após a publicidade

As atividades sensoriais são ativadas por conta das fragrâncias, que podem ajudar em diversos fatores. “As naturais têm efeito calmante e relaxante e podem ser grandes aliadas em casos de ansiedade, estresse e insônia” compartilha Roseli Siqueira, esteticista e cosmetóloga. Apesar de trazer um conforto por conta do cheiro agradável, cosméticos com fragrância significam um componente químico a mais no produto. “Os malefícios da utilização destes componentes são alergias, sensibilidades e a presença de ftalatos, que são um conjunto de substâncias que tornam plásticos em materiais maleáveis que são dissolvidos em alguns produtos, geralmente os com aromas artificiais, e podem ser absorvidos pela pele”.

Seja por preferência, alergia ou qualquer outro motivo, ao buscar por produtos sem fragrância, é importante não cair no engano de que são os mesmos que sem cheiro, já que são coisas diferentes. Um produto sem fragrância, significa que naquela fórmula não foram adicionados aromas sintéticos ou naturais para perfumar ou estimular o sensorial olfativo, porém ele ainda terá cheiro, já que todos os outros componentes em sua composição possuem seus próprios aromas. O que é possível, é buscar uma composição que tenha um cheiro mais neutro e suave possível, mas não sem cheiro, já que esses possuem componentes químicos para inibir o cheiro natural dos produtos.

As fragrâncias podem resultar em reações

Seja sintética ou natural, as fragrâncias são componentes fortes (por serem químicos ou extremamente concentrados) e que podem acabar causando um efeito indesejado quando em contato com a pele. Meire Gonzaga, dermatologista, explica que as fragrâncias podem causar dermatite de contato, atacar rinite, dor de cabeça, enjoos entre outros sintomas que podem ser relacionados pelo cheiro e que varia dependendo da sensibilidade de cada pessoa. “Além das dermatites de contato que essa alergia por uma substância química em contato com a pele seja ela de origem natural ou sintética, muita gente confunde. “A uso só óleo essencial, ele pode causar alergia?”, também pode, não é porque ele é de origem natural que ele não pode causar alergia, por exemplo, a essência de limão, que é super agradável, pode inclusive causar queimaduras dependendo do tipo de óleo essencial, do tipo de extração desse olho essencial”.

Afinal, deve-se apostar em cosméticos com fragrâncias ou não?

Na realidade, depende.  Joel Aleixo, alquimista floral e criador da marca AlkhemyLab recomenda o uso de produtos com fragrâncias naturais em sua composição, já que a mesma pode trazer benefícios. “A pele reconhece imediatamente essas fragrâncias, ela absorve e manda para o sistema linfático, beneficiando todo o corpo, assim como o bulbo olfativo que com o cheiro pode produzir uma série de ações físicas que se traduzem em bem-estar, calma”.

A dermatologista Meire Gonzaga acredita que isso varia desde a finalidade do produto, até as preferências (e alergias) daquele que o consome. “Na verdade depende de qual é o objetivo. Um cosmético que tem esse apelo sensorial como um óleo de banho, num SPA e tudo mais, a essência vai ter também um componente em todo esse ritual, então depende muito de qual é a finalidade. E sempre um cheirinho bom é agradável.  Já pacientes alérgicos ou que tem uma rinite muito atacada, pacientes com dermatite de contato, enxaqueca devem usar produtos sem cheiro, porque eles podem piorar as doenças de base através das fragrâncias adicionadas ao produto”.

Apesar disso, há alguns produtos que é melhor evitar as fragrâncias, como aqueles usados para áreas sensíveis (região dos olhos, gential etc). “Depende muito da localização que vai usar o produto, qual a sensibilidade dessa pele onde vai usar… bebês a gente prefere coisas com menos cheiro, quanto menos produto químico menor, porque quanto mais produto químico mais sensibilizante, se a região é mais sensível como a área dos olhos,  prefere-se coisas sem cheiro, com menos ingredientes e que sejam mais seguras” diz Meire.

 

Continua após a publicidade

Publicidade