BOA FORMA responde Vamos atrás dos melhores especialistas para tirar suas dúvidas

Dormir pouco causa rugas?

Por Larissa Serpa Atualizado em 21 set 2021, 13h16 - Publicado em 4 out 2021, 09h00

Um dos fatores que aceleram o envelhecimento é o chamado estresse oxidativo. Normalmente produzimos radicais livres o tempo todo, mas nosso organismo também produz uma defesa antirradicais livres. O sono é um potente detox. Durante o sono produzimos várias substâncias consideradas antioxidantes, como hormônio de crescimento e melatonina e diminuímos a produção de radicais livres, ou seja, o sono é um regulador do estresse oxidativo.

O excesso de radicais livres é responsável por danos em vários órgãos. No cérebro, ele pode estar ligado a ansiedade e depressão, aumenta o risco de aparecimento de tumores, e na pele, compromete a produção e qualidade de fibras de colágeno e elastina, acelerando o envelhecimento. Portanto, não ter um sono saudável é maléfico para a pele.

A quantidade de horas de sono é muito variável. A melhor medida é a percepção de acordar bem, descansado, e não ter sono durante o dia. Por exemplo um sono incontrolável com bocejos durante uma reunião pode ser sinal de sono insuficiente ou de má qualidade.

Dormir de bruços também influencia nessas marcas. E é um problema que chamamos de sleep lines. O ideal é dormir sem pressionar o rosto contra o travesseiro. Existem muitos aparatos que permitem dormir de lado ou de bruços sem “amassar” o rosto, mas a qualidade do sono não pode ser comprometida. As sleep lines por vezes são tão profundas que requerem tratamentos como ácido hialurônico e laser.

RESPONDIDO POR:

*DRA. BEATRIZ LASSANCE: Cirurgiã Plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL e é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) e da American Society of Plastic Surgery. Além disso, é membro do American College of LifeStyle Medicine e do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida. 

Continua após a publicidade
Publicidade