Saúde sem estresse, por Regina Chamon Regina Chamon une a medicina com as práticas de bem-estar para te inspirar a cultivar corpo, mente e coração mais saudáveis

As marcas da vida

Para contribuir para aumentar a capacidade de regeneração do nosso corpo, aprender a lidar com o estresse é fundamental

Por Reginha Chamon 27 ago 2021, 15h38

A Vida me deixou uma marca profunda! Era dezembro de 2019, um dia ensolarado, uma casa com deck que dava para um mar de montanhas. Estávamos todos felizes, admirando o pôr do sol em tons de rosa e alarajando estonteantes.

Compartilhando do mesmo entusiasmo, a Vida pulou na minha perna, com seus pelos pretos brilhantes, olhos sorridentes, corpo robusto de vira-lata bem tratado. Suas unhas afiadas fizeram um corte não proposital em minha canela e um fio de sangue escorreu.

Ardeu, mas nada que me tirasse daquela vista. Sol posto, lavei o sangue seco, esfreguei a ferida com água e sabão para não infeccionar e, dia após dia, o corte foi fechando de dentro para fora até que ficasse apenas uma marca um pouco mais escura na pele íntegra.

Se você estiver andando distraído pela vida não perceberá a maravilha contida neste fato corriqueiro: um corpo se regenerando a olhos vistos. Isto acontece o tempo todo dentro da gente. Algumas células defeituosas recebem um comando para morrer, um vírus que não deveria ter entrado é eliminado, um DNA que se dividiu errado é reparado, células de defesa nascem a todo instante. Assim funciona o corpo humano nas profundezas da nossa pele.

O que não sabemos, ou nos esquecemos, é que podemos contribuir para aumentar essa CAPACIDADE DE REGENERAÇÃO que nasce com a gente. Quando optamos por comer alimentos mais naturais, ricos em nutrientes fornecemos ao corpo os elementos necessários para a sua regeneração.

É durante o sono de qualidade que muitos dos processos de reparação acontecem. Ao dormir permitimos que o corpo “separe o joio do trigo”, descartando aquilo que não é mais necessário – desde células até memórias- e que haja tempo e espaço para consertar aquilo que foi desgastado ao longo do dia.

Continua após a publicidade

Exercício físico e um corpo ativo permitem que toxinas circulem para ser eliminadas, regulam a liberação de substâncias como os hormônios e neurotransmissores, que fazem com que o corpo funcione adequadamente e ainda deixam nosso corpo literalmente forte para lidar com as adversidades da rotina.

Aprender a lidar com o estresse também é fundamental. O estresse, falaremos muito dele nesta coluna, nos ajuda a lidar com ameaças imediatas, como uma bactéria que invade o corpo. Mas quando fica ligado por muito tempo começa a prejudicar o funcionamento adequado das células do sistema de defesa do corpo causando o que chamamos de inflamação crônica – o pontapé inicial para doenças como ataque cardíaco, derrame cerebral e obesidade.

Se o corpo humano já lida diariamente com desafios internos, seria muito gentil de nossa parte evitar consumo de toxinas que o prejudiquem, certo? Para isso podemos reduzir ou evitar o consumo de álcool, cigarro, drogas de abuso (aquelas proibidas pela lei, mas também aqueles remédios vendidos nas farmácias que usamos sem real necessidade).

Unindo as tecnologias de ponta e remédios eficientes que temos hoje com um corpo preparado para se regenerar com mais facilidade fica mais simples lidar com doenças e promover o bem-estar. Foi assim que, após 10 anos de já estar formada médica em uma baita universidade, comecei a me interessar por práticas milenares como Yoga, Meditação e Acupuntura. Fiz uma pós-graduação em Medicina Integrativa e ali essa união entre Medicina Convencional e Terapias Integrativas como ferramentas de autocuidado fez todo o sentido.

Cruzei o continente para estudar lá em Harvard como o estresse pode ser bom ou prejudicial para a saúde e como a interação entre mente e corpo pode ser um caminho para reestabelecer e promover a saúde integral. Você vai descobrir, ao longo dos nossos encontros aqui, que no meu dia a dia médico uso meditação tanto quanto medicação.

Nesta coluna vamos conversar sobre estilo de vida, estratégias de adaptação para lidar com o estresse e como utilizar as práticas de bem-estar para melhorar a saúde. Tudo embasado na ciência e com uma pitada de afeto, para que as marcas da Vida deixem boas recordações em você, assim como tem deixado em mim.

Regina Chamon: médica da Lapinha SPA, a @drasanguebom une a medicina com as práticas de bem-estar para te inspirar a cultivar corpo, mente e coração mais saudáveis todos os dias
Regina Chamon: estratégias de adaptação para lidar com o estresse Arquivo Pessoal/BOA FORMA

Regina Chamon (@drasanguebom) é médica da Lapinha Spa. Une a medicina com as práticas de bem-estar para te inspirar a cultivar corpo, mente e coração mais saudáveis todos os dias

Continua após a publicidade
Publicidade