BOA FORMA: onde você encontra respostas confiáveis sobre as suas dúvidas de bem-estar

BOA FORMA responde

Vamos atrás dos melhores especialistas para tirar suas dúvidas
Continua após publicidade

Quais são as principais tecnologias para tratar flacidez de pele?

Por Dr. Renato Soriani
Atualizado em 2 mar 2023, 20h01 - Publicado em 3 abr 2023, 09h50

Existem tecnologias eficazes e minimamente invasivas que tratam a flacidez de pele. Primeiramente, a radiofrequência microagulhada, indicada principalmente para a flacidez leve de pele.

A tecnologia Morpheus é um equipamento cuja ponteira conta com microagulhas que vão penetrar profundamente na pele e liberar radiofrequência nas camadas mais profundas. Cada agulha emite radiofrequência para aquecer as camadas do tecido cutâneo, estimulando a produção de colágeno e elastina e firmando a pele.

O procedimento é rápido, mas os resultados não são imediatos, surgindo gradualmente e melhorando conforme mais sessões são realizadas. Geralmente, recomendamos de 2 a 3 sessões, mas esse número pode variar caso a caso. O tratamento é indicado para flacidez, rugas e linhas em diversas regiões, incluindo colo, pescoço, face e ao redor da boca e dos olhos.

Outra tecnologia interessante é o ultrassom microfocado. A tecnologia entrega pontos de coagulação térmica em uma série de linhas em duas profundidades: derme profunda e na camada muscular – SMAS (sistema músculo aponeurótico).

Continua após a publicidade

Aparelhos mais recentes como o Liftera também têm aplicadores em caneta, que facilitam o tratamento de áreas mais delicadas (ao redor dos olhos e lábios, por exemplo). A energia de ultrassom é focada em um ponto abaixo da superfície da pele, concentrando-se em uma área de aproximadamente de 1,5 mm cúbico por ponto. O aquecimento ocorre na derme e no sistema superficial do músculo aponeurótico (SMAS) através de pontos de coagulação.

Trata-se de um tratamento cuja ação é dentro da pele não gerando nenhum tempo de inatividade. O músculo sofre uma contração imediata ao ser atingido pelos pontos de coagulação. Isso produz um efeito lifting, que pode apresentar evolução no período de três meses após o procedimento, quando o novo colágeno continua a ser produzido. O objetivo, então, é encurtar o músculo para tracionar a pele para cima, resultando em um efeito lifting não cirúrgico.

O ultrassom microfocado também é usado para formar a famosa “poupança de colágeno”, estímulo dado antes dos primeiros sinais do envelhecimento, como forma de prevenção, além de ser usado estrategicamente acima dos olhos para levantar o olhar com efeito similar ao da toxina botulínica, tratar a gordura da papada, entre outras indicações.

Continua após a publicidade

Procure sempre um médico para a indicação correta do procedimento a ser realizado.

Respondido por:

Dr. Renato Soriani, dermatologista membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Instagram @renatosoriani.dermato

Continua após a publicidade
Publicidade