5 sinais de que você está comendo proteína da forma errada

Que o nutriente é importante para a perda de peso e definição muscular nós sabemos, mas será que você está ingerindo a quantidade correta dele?

Na hora de procurar um nutricionista para deixar o ponteiro da balança em ordem, uma das primeiras dicas que você provavelmente vai receber do profissional é comer mais proteínas. E com razão: esse nutriente deixa o corpo saciado por um maior período, além de ajudar na recuperação e definição muscular.

Porém, na ânsia de conseguir resultados a jato, podemos cometer erros básicos que podem prejudicar nosso objetivo. Confira 5 dessas confusões e fuja delas agora mesmo:

1. Não comer nem muito nem pouco

Exagerar na quantidade diária de proteínas, em longo prazo, pode sobrecarregar as funções dos fígados e rins e trazer problemas nesses órgãos. Na contramão, comer pouco do nutriente também não trará grandes efeitos. Por isso, como sempre, o equilíbrio é a palavra-chave.

Leia mais: Dieta da proteína: perca até 3 quilos em 10 dias

A regrinha é bem simples: “Consuma em torno de 1,2 a 2 gramas de proteína por quilo de peso. Ou seja, se uma pessoa pesa 60 quilos, precisara ingerir entre 72 e 120 gramas do nutriente por dia”, ensina Patricia Davidson, nutricionista funcional, do Rio de Janeiro. Se você realiza atividade física de moderada à intensa, fique mais próxima do limite máximo.

2. Só ingerir após o treino

Quando praticamos atividades físicas, nossos músculos sofrem fissuras. Quem ajuda a recuperá-los são as proteínas, que também atuam no crescimento muscular – a famosa hipertrofia.

Então, para que a recuperação seja eficiente, o ideal é consumir o nutriente após o treino (de 30 minutos a 1 hora) e também ao longo do dia. Mas ele não deve vir sozinho: precisa estar acompanhado de um carboidrato. “Isso restabelece as reservas de glicogênio muscular que ficam esgotadas no fim dos exercícios”, esclarece Maria Flávia Sgavioli, nutricionista da Estima Nutrição, em São Paulo.

Além dos carboidratos, não podemos esquecer do BCAA, o trio de aminoácidos essenciais ao nosso organismo. “A valina, isoleucina e leucina são importantes para a manutenção da saúde muscular, sendo que as praticantes de atividades físicas possuem uma necessidade maior delas”, afirma Patricia.

Esses aminoácidos são encontrados em alimentos de origem animal, como frango, carne, peixe e ovos. Também estão em alimentos vegetais, como grão-de-bico, aveia e feijões.

Veja também: 5 alimentos que têm mais proteína do que um ovo

3. Não variar o menu    

Se no seu cardápio só tem frango, batata-doce e ovo, saiba que você pode estar perdendo outras formas saudáveis de ingerir proteínas, como aquelas vindas dos vegetais (tofu, legumes, grãos integrais e legumes). “Eles possuem em sua composição nutrientes que ajudam na regulação intestinal, na modulação hormonal e do humor, e no controle do colesterol sanguíneo”, revela a profissional.

Sem esquecer que o excesso de proteína animal prejudica o equilíbrio intestinal, além de aumentar o risco de doenças cardiovasculares, retenção de líquidos, mudança no humor e dificuldade em perder peso.

O único alerta para as proteínas vegetais é que elas devem ser consumidas misturada a outros alimentos – arroz com lentilha e legumes, por exemplo. Assim, e possível obter todos os aminoácidos não produzidos naturalmente pelo corpo.

Esclareça todas elas: 7 perguntas sobre a dieta da proteína respondidas

4. Consumir mais de 30 gramas por refeição

Como diz o velho ditado, “tudo o que é demais faz mal”. E com a proteína não poderia ser diferente. Por isso, o ideal é ingerir de 25 a 30 gramas do nutriente por refeição. O excesso de proteína, como já dito, pode sobrecarregar o fígado e os rins.

5. Preparar lanches sem ela

Há quem pense que petiscos servem para matar o desejo por doce no meio da tarde ou acabar com o tédio. Muito pelo contrário: os snacks ajudam a segurar a fome entre as refeições principais e, para isso, devem conter de 6 a 10 gramas de proteína. “Assim, vão fornecer mais saciedade e ajudar na manutenção muscular, mesmo para aquelas que não fazem atividade física intensa”, aconselha Patricia.

Leia mais: Whey protein: a quantidade certa da proteína em pó

Quer algumas dicas? Misture uma banana ou maçã a 2 colheres de sopa de pasta de amendoim e coma no lanche da tarde. Ou, então, escolha um punhado de nozes, edamame ou 1 copo de iogurte grego. Seu corpo e, principalmente, os seus músculos, agradecem. Pode ter certeza!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Wow, that’s what I was searching for, what a data!
    existing here at this webpage, thanks admin of this website.

    Curtir

  2. Wow, wonderful weblog format! How lengthy have you been running a blog
    for? you make running a blog glance easy. The total glance of
    your website is magnificent, as smartly as the content material!

    Curtir

  3. Bacana, muito legal a matéria e super informativa.
    Realmente muita gente segue errado as dietaas focadas em proteínas e como dito no texto pode sobrecarregar o fígado, os rins e etc.
    Saber mais é sempre importante, e com isso estamos desenvolvendo um site onde explicamos sobre as proteínas e deixamos alguns cardápios e dietas.
    Venha conhecer, faça-nos uma visita depois.

    Curtir