Como parar de roer as unhas?

Ansiedade, estresse e até mesmo perfeccionismo. O que pode estar por detrás do ato de roer unhas?

Por Amanda Ventorin Atualizado em 26 nov 2021, 13h20 - Publicado em 2 dez 2021, 14h00

Quem nunca se pegou, em algum momento, roendo as unhas sem perceber? A onicofagia, termo científico, envolve desde o hábito de roer as unhas e dedos das mãos, até casos em que as pessoas roem os dedos e unhas dos pés. “A onicofagia afeta 30% da população em todo o mundo, conforme apontam os estudos”, compartilha Meire Rose de O Loureiro Cassini, terapeuta.

POR QUE ROO AS UNHAS?

Esse comportamento muitas vezes está ligado a emoções como nervosismo, ansiedade, stress, fome, tédio. Algumas vezes, pode até mesmo indicar um traço de personalidade como o perfeccionismo ou TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Sendo um hábito ou um vício, a pratica surge geralmente na infância e acaba se tornando uma “válvula de escape” que a pessoa recorre em momentos de estresse.

  • quando o culpado é o emocional

“No caso emocional, com o tempo, o cérebro acaba criando uma configuração em volta do hábito de roer as unhas, sempre sendo uma válvula de escape para o stress. Esse ato traz um efeito calmante no sistema nervoso e isso faz com que uma vez em que a pessoa roeu a unha é mandado uma resposta de relaxamento. O cérebro registra esse efeito e assim, vai gerar uma repetição em todas as vezes que uma situação de stress surgir, afinal, você encontrou uma ‘saída’ para aquela situação ou emoção que está te incomodando” explica Edwiges Parra, psicóloga organizacional especializada em Terapia Comportamental e Cognitiva.

  • quando o culpado é o comportamental

Quando ligado a uma questão comportamental, que sofrem com o perfeccionismo excessivo, elas podem roer as unhas e depois passar longos períodos analisando os dedos em busca de uma regularidade. “Isso pode envolver desde o tamanho das unhas até o aspecto das cutículas. A busca pela regularidade e unhas perfeitas, acabam gerando esse ato de roer as unhas em busca da perfeição”, completa.

E esse problema também pode acometer as crianças, que acabam roendo as unhas como reflexo do hábito dos pais. Elas veem os pais roendo as unhas e acabam repetindo o gesto, no caso nem existe uma necessidade emocional ou comportamental, é o simples ato de copiar o que os pais estão fazendo.

Continua após a publicidade

COMO DEIXAR DE ROER AS UNHAS

O tratamento pode não ser tão fácil. O terapeuta e criador de conteúdos para a Eurekka, Lucas Paulo Rigoni explica que para deixar de roer as unhas é preciso prestar atenção ao ato, o que cobra um engajamento e esforço do paciente. “Ele vai precisar ficar muito atento ao comportamento, colocá-lo no centro do radar, e se dar conta dos momentos em que começa a roer unha. Vai ajudar muito se ele tiver um caderninho para começar a anotar, fazendo um mapa de situações de quando esse hábito mais acontece (é quando você está sem fazer nada? Quando as provas da faculdade estão chegando? Em uma situação estressante?). Ele vai precisar fazer, o que nós chamamos de, exposição e previsão de resposta, ou seja ao sentir vontade de roer a unha, perceber aqueles pensamentos e  a ansiedade chegando e tentar evitar roer a unha, que é seu comportamento de resposta”. Como dica, o profissional conta que o paciente pode fazer um exercício de respiração, uma caminhada e até mesmo escrever sobre o sentimento.

Do ponto de vista prático, deixar as unhas sempre cortadas, lixadas ou pintadas ajuda a inibir a vontade de roê-las. Além disso, há alguns esmaltes específicos no mercado que possuem um gosto ruim que também pode impedir o ato.  Unhas postiças e alongamentos também podem ajudar. Pela estética (e pelo material), a pessoa pode se sentir desestimulada a roer as unhas e até mesmo não conseguir.

Outra opção é utilizar uma bola antiestresse, são formas de ocupar a mente e as mãos, e assim, toda vez que a pessoa sentir necessidade de roer as unhas, ela pode recorrer a essas bolinhas, que ainda estimulam a circulação sanguínea. Isso tudo ajuda a substituir um hábito ruim por outro mais saudável, você foca a atenção para o que é melhor. 

TIVE UMA RECAÍDA, E AGORA?

Apesar de tudo e de esforços, muitas vezes, as pessoas podem sim voltar a roer as unhas. “Nos adultos são inúmeros motivos que fazem eles voltarem a roer as unhas. Desde situações de stress no trabalho, na vida pessoal, conjugal, enfim. Tudo isso pode trazer o vício à tona. Inclusive, muitas pessoas voltaram ou passaram a roer as unhas neste período de pandemia que estamos vivendo, justamente por conta do stress” conta Edwiges. 

Não há como exatamente impedir uma recaída. “Mas quando nós identificamos o motivo que nos leva a roer as unhas, conseguimos também saber quando esse processo está sendo desengatilhado. Esse é um dos resultados obtidos através da terapia, a pessoa consegue identificar quando a frequência do ato de levar a mão a boca está maior e assim, voltar para as medidas protetivas que elencamos acima, como a bolinha antiestresse. Mas isso só vai acontecer quando a pessoa souber e identificar o motivo que a leva a ter essa recaída para roer as unhas. Por isso é tão importante levar esse vício a sério e  buscar a ajuda de um psicólogo para ajudar neste processo” reforça.

Continua após a publicidade

Publicidade