Cosméticos: cinco ativos consagrados

Conheça as melhores substâncias que combatem rugas, manchas, cravos e espinhas - estudos científicos reforçam a eficiência delas!

Por Débora Lublinski (colaboradora) Atualizado em 23 jul 2018, 15h53 - Publicado em 23 jul 2018, 15h37

Rugas, manchas, cravos e espinhas exigem ativos específicos na hora de combatê-los. Quem explica como funciona cada um deles é Zoe Draelos, dermatologista americana, autora do livro “Cosmecêuticos – Procedimentos Em Dermatologia Cosmética” (Editora Elsevier).

  • 1. Antioxidantes

    Vitamina E, vitamina C, phloretin, coffee berry, resveratrol e uma série de outras substâncias são fundamentais para frear a reação em cadeia dos radicais livre, moléculas que, entre outros prejuízos, causam o envelhecimento precoce.

    Estudos mostram que o excesso de radicais livres causa inflamação nas células e, num círculo vicioso, aumenta o número deles. Os cosméticos à base de antioxidantes entram em cena para minimizar esse efeito nocivo, especialmente em mulheres que tomam muito sol, fumam ou têm má alimentação.

    2. Ácido salicílico

    Com ação anti-inflamatória e esfoliante, a substância continua a ser uma das mais indicadas para combater cravos e espinhas em estágios leves e moderados. Por ser uma molécula oleosa, penetra facilmente na pele, o que aumenta a eficiência dela. Outras formas do ácido salicílico, como o LHA (lipo-hidroxiácido), são outras apostas para tratar o problema.

    Hidratante, anti-idade, ácido: o jeito certo de usar produtos de beleza
    LightFieldStudios/Thinkstock/Getty Images

    3. Retinol

    Também conhecido como vitamina A, é uma forma mais suave do ácido retinoico, pois não causa irritação nem descamação na pele. Além da ação antioxidante, o retinol acelera a renovação celular, formando células mais saudáveis, sem alterações de DNA – mais íntegras, exercem melhor suas funções, adiando o envelhecimento.

    Continua após a publicidade

    Um estudo da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, também aponta a ação antiflacidez do retinol. Se usado em longo prazo, por cerca de dois anos, é capaz de fixar de vez na pele o colágeno que foi produzido – é firmeza garantida!

    4. Ácido kójico

    Entre todos os ativos antimanchas, o ácido kójico, substância produzida a partir de um cogumelo, tem algumas vantagens sobre outros similares: não é irritante nem fotossensível – ou seja, pode ser usado durante o dia sem que a pele fique mais manchada. Age inibindo a formação de melanina, clareando a mancha já existente e prevenindo a piora. Também pode ser manipulado com outros ativos, como o ácido glicólico, que potencializa sua ação.

  • 5. Vitamina C

    Ela já é queridinha dos dermatologistas por seu desempenho antioxidante (em parceria com a vitamina E) e clareador da pele – deixa o rosto luminoso! Mas, por se tratar de uma molécula muito instável, poucos produtos eram capazes de oferecer esse ativo com boa qualidade.

    Assine nossa newsletter e fique por dentro das últimas notícias de BOA FORMA

    Segundo um estudo da Universidade de Duke , nos Estados Unidos, sabe-se que a vitamina C pura (encontrada sob o nome de ácido L-ascórbico no rótulo) com concentração de 5% a 20% é a forma mais eficaz da substância. Para conseguir penetrar na pele, deve estar contida num veículo de pH ácido, como o sérum. E, hoje, graças à tecnologia cosmética, isso já é possível.

    *Reportagem originalmente publicada em junho de 2012.

    Continua após a publicidade
    Publicidade