Espiritualidade prática, com Debora Pivotto Espiritualidade e autoconhecimento conectados com a nossa saúde física e mental, com o coletivo e com a vida prática

Conheça as diferenças entre propósito e profissão

O propósito tem a ver com realizar a nossa missão de vida e compartilhar os nossos dons e talentos. A profissão é apenas uma das formas de manifestá-lo

Por Debora Pivotto 21 jul 2021, 19h17

Há algumas semanas, eu escrevi aqui um texto respondendo a pergunta “É possível viver do Propósito?”, lembram? E prometi voltar neste assunto que eu tanto amo aqui na coluna. Pois bem, hoje eu trago um outro tema que também sinto que gera muita dúvida nas pessoas que é a diferença entre propósito e profissão.

Muitas pessoas confundem esses dois conceitos. E é natural porque associamos muito o propósito com a profissão. E geralmente é na insatisfação gerada no nosso trabalho que começamos a nos questionar e iniciamos a nossa busca pelo tal do propósito.

Mas é importante pontuar que propósito é algo que vai muito além da nossa profissão. O propósito tem a ver com a nossa missão de vida, com poder expressar e ser quem a gente realmente é e encontrar nosso lugar no mundo. E nós conseguimos manifestá-lo quando colocamos em prática os nossos dons e talentos – que aliás, todos e todas nós temos – e quando expressamos a nossa espontaneidade. Ou seja, o propósito é algo muito mais amplo que a profissão, é quase um modo de existir.

Porém, é muito comum – e recomendável – que a gente manifeste nosso propósito dentro da profissão.  Afinal, passamos no mínimo 8 horas por dia trabalhando, certo? E se a nossa profissão estiver muito desconectada daquilo que é nosso propósito, o sentimento de desencaixe e insatisfação serão inevitáveis. Não é por acaso que a grande maioria das pessoas odeia o trabalho que exerce, pois no geral, estamos muito desconectados de nossa essência e nem sabemos mais aquilo que realmente gostaríamos de realizar no mundo.

Sinto que o propósito de uma pessoa é um só, mas a profissão ou a forma como ela vai manifestá-lo pode mudar com o tempo. Vou  trazer aqui o meu exemplo. Eu sinto que o meu propósito tem a ver com comunicar e compartilhar informações sobre questões essenciais e profundas do ser humano de forma simples, leve e até bem humorada. E eu exerço isso de diferentes formas. Comecei minha vida profissional sendo jornalista e, nos últimos 7 anos, passei a atuar também como terapeuta e escritora.

Em todas as minhas “profissões” eu sinto que eu estou fazendo um trabalho de comunicação profunda. O que muda é que, nas terapias, eu estou auxiliando as pessoas a se comunicarem com elas mesmas ou trago informações importantes sobre os processos delas de autoconhecimento. E, em outros momentos, quando atuo como jornalista, estou informando as pessoas sobre questões ligadas ao autoconhecimento, espiritualidade, entre outros assuntos que gosto e julgo relevantes. E sei que ainda posso descobrir outras formas de trabalhar manifestando o meu propósito. E também me realizo quando consigo agir dessa forma nos meus relacionamentos pessoais, sendo muito honesta, aberta e tendo conversas profundas e divertidas com as pessoas que amo.

Percebem como existem diferentes formas e profissões para expressar um mesmo propósito? Outro exemplo, uma pessoa pode ter o talento de cuidar e acolher as crianças. E elas podem manifestar isso sendo cuidadoras, professoras, pediatras, juízas da Vara da Infância, entre muitas outras possibilidades. Vai depender da história de vida de cada um e de outros interesses que regem a nossa vida e nossa personalidade.

Então, se você está se sentindo meio perdido em relação ao que quer fazer da sua vida ou querendo pedir demissão porque não aguenta mais fazer o que está fazendo, não se pergunte “qual profissão eu devo seguir”, mas sim “qual é o meu propósito?” ou “quais são os meus dons e talentos?”. Essas últimas reflexões podem te levar muito mais longe.

Sou Debora Pivotto, jornalista, escritora e terapeuta. Trabalhei por 13 anos em grandes redações do país até descobrir que os assuntos que mais me interessavam estavam dentro – e não fora – das pessoas. Apaixonada por autoconhecimento e comunicação, faço uma espécie de “reportagem da alma” com a terapia de Leitura de Aura, ajudo as pessoas a reconhecer e manifestar os seus dons e talentos facilitando um processo de autoconhecimento chamado Jornada do Propósito, e estou me especializando em Psicologia Análitica Junguiana. Adoro compartilhar meus aprendizados em textos, vídeos e workshops. Para saber mais, me acompanhe pelo instagram @deborapivotto.  

Continua após a publicidade
Publicidade