“Jantava oito pedaços de pizzas”, diz leitora que venceu a depressão e eliminou 62kg

Depressão, negação e isolamento atingiram Tatiana Timachi, 34 anos, com tudo. A culpa era do sobrepeso (ela chegou a ter 47% de gordura corporal). Após seis meses sem sair de casa, a paulista conseguiu trocar os remédios de emagrecimento por exercícios e reeducação alimentar e conquistou muito mais que um corpo fininho

Por Marina Campos - Atualizado em 28 out 2016, 02h38 - Publicado em 13 jun 2016, 14h55

Quando alcancei o ápice da minha obesidade, me sentia o centro das atenções. Mas não no bom sentido. Com 115 quilos, era como se todo mundo estivesse me encarando. Nos restaurantes, imaginava as pessoas pensando “O que a gordinha vai comer?” Coisas básicas, como cruzar as pernas, subir escadas e sentar em uma cadeira de plástico, me deixavam triste. Nem sei quantas vezes escutei “Seu rosto é tão lindo! Por que não emagrece?”

O constrangimento de estar em público fez com que deixasse de sair de casa por seis meses. Passei a evitar tudo que fazia com que eu me sentisse gorda, como interagir com as pessoas, tirar fotos e comprar roupas. Junto à autorrejeição, veio a depressão, que acabou com o restinho de confiança que ainda tinha. 

É verdade que nunca fui magra – desde a infância era louca por comidas gordurosas. Mas, depois da gestação do meu primeiro filho, ganhei 43 quilos em poucos meses, resultado da falta de tempo e de cuidados. Jantava oito fatias de pizza e um generoso pedaço de bolo.

Minha autoestima chegou ao chão e me transformei em uma mulher desesperada por resultados imediatos. Só que, em vez de procurar orientação profissional, apostava em dietas malucas e remédios que prometiam resultados milagrosos. Para tomá-los em maior quantidade, pedia receitas médicas em nomes diferentes.

Quando os antidepressivos entraram para a lista de compras, já estava exausta. Não aguentava mais lutar contra a obesidade. Minhas escolhas me faziam mal – psicológica e fisicamente. Foi quando meu psiquiatra recomendou atividades físicas para lidar com as minhas emoções. Comecei com os exercícios aeróbicos nos aparelhos da academia. Sem pressa, ficava até uma hora e meia caminhando na esteira. Percebi, então, que precisava arregaçar as mangas e dar uma última chance ao meu corpo.

Continua após a publicidade

Desta vez, fiz tudo diferente e com calma. Queria aprender a me alimentar e levar essa lição para a vida inteira. Para isso, procurei uma nutricionista (nunca havia me consultado com uma!), que substituiu as frituras, o refrigerante e a farinha branca por legumes, verduras, proteína boa e massa integral. Ela me ensinou a importância  de beber 2 litros de água por dia e de comer de três em três horas. Também comecei a polvilhar com canela as frutas e o café para matar a vontade de doces.

Passei a fazer refeições livres a cada 15 dias (só liberava uma fatia de pizza e um pedaço de bolo) e a frequentar a academia de segunda a sexta-feira. Não deu outra: já no primeiro mês perdi 8 quilos! A minha força de vontade – que ganhei com o novo estilo de vida – e a ajuda dos profissionais fizeram com que eu fosse muito além do que podia imaginar.

Eu me pesava apenas uma vez por mês, anotava os resultados e mantinha metas pequenas. Primeiro foquei nos 80 quilos, depois 72, 65, 58 e finalmente 53. Em um ano, transformei 47% de gordura corporal em menos de 20% e descobri que não vivo sem atividade física: faço exercícios funcionais seis dias na semana e caminho todos os domingos. Gosto de dizer que depois dessa mudança renasci. Foi praticamente isso que aconteceu. Reconquistei minha autoestima, voltei a viver normalmente e mandei a depressão e os remédios para escanteio. Nunca estive tão feliz!
 


3 DICAS DE TATI PARA MANTER O PESO IDEAL

1. AUTOCONTROLE É TUDO
“Tenha sempre em mente que a sua vontade de ser saudável e estar de bem com o corpo é maior do que o desejo por docinhos e batata frita.”

2. PROGRAME SUAS JACADAS
“Vai a um evento em que pretende comer um pouquinho de tudo? Organize-se para não sair da dieta nas semanas que o antecedem e, assim, poder curtir sem culpa!”

3. COMECE CADA SEMANA COMO SE FOSSE A PRIMEIRA
“Para não largar os bons hábitos quando alcançar seu objetivo, encare cada dia com a mesma vontade de emagrecer que você tinha lá no começo.”

Continua após a publicidade
Publicidade