Pílula é 100% eficaz no combate ao HIV, aponta pesquisa

Cientistas revelam que a pílula Truvada pode ser a nova “vacina” contra a doença. Será? Os resultados são bem positivos!

Por Redação Boa Forma Atualizado em 28 out 2016, 04h52 - Publicado em 10 set 2015, 16h46

Pesquisadores da empresa de seguros Kaiser Permanente, nos Estados Unidos, observaram 657 homens gays ou bissexuais que tomavam a pílula Truvada – antirretroviral utilizado para usuários se protegerem do HIV – há dois anos e meio. De acordo com a pesquisa, todos os pacientes tinham altas taxas de infecções sexualmente transmissíveis e, durante o tratamento, muitos deles diminuíram o uso de preservativos ou utilizaram drogas injetáveis.

Ainda assim, nenhuma infecção pelo HIV foi detectada entre os participantes deste grupo. Por outro lado, eles contraíram outras doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia, gonorreia e sífilis. Em entrevista ao New York Times, Jonathan E. Volk, autor do estudo, afirmou que a pílula funciona mesmo em uma população de alto risco.

É importante lembrar que, por ser observacional, esta pesquisa não é considerada rigorosa. Além disso, o estudo não realizou exames de sangue nos pacientes para confirmar se os voluntários estavam tomando a Truvada regularmente. Afinal, a sua eficiência só é comprovada no combate de infecções, quando os participantes tomam todas ou a maioria das capsulas diárias.

Sobre a pílula

Em 2012, Truvada – pílula utilizada como uma medida preventiva ao HIV – foi aprovada pela FDA (Food and Drugs Administration), órgão semelhante à ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Quando o indivíduo é exposto ao vírus, dois medicamentos antirretrovirais, presentes na pílula, agem para que o HIV não se torne uma infecção permanente.

Continua após a publicidade
Publicidade