Devo tomar banhos frios ou quentes para me recuperar depois do treino?

Se você já ficou em dúvida sobre a temperatura da água no banho pós-treino… Precisas entender algumas coisas antes de decidir

Por Marcela De Mingo Atualizado em 20 jul 2022, 15h00 - Publicado em 28 jul 2022, 08h00

Você acabou de voltar de uma corrida – um banho frio parece a melhor ideia, certo? Mas se o treino do dia foi uma sequência na musculação, talvez o banho quente de sempre pareça a melhor opção. Afinal, é melhor tomar um banho quente ou frio depois de treinar? 

Verdade seja dita, nem mesmo a ciência sabe a resposta exata para essa pergunta – ainda mais se a sua ideia é usar o banho como uma ferramenta de recuperação pós-treino. Ainda assim, esse assunto rende muito e pode ser útil para o seu dia a dia. Olha só:

BANHO FRIO NO PÓS-TREINO?

Uma certeza a ciência tem: tomar um banho logo após a rotina de exercícios físicos é muito benéfico, seja para a pele, seja para o organismo, afinal, ficar com as roupas suadas o dia inteiro é péssimo para o corpo, já que colabora para a proliferação de bactérias. 

Se você acompanha minimamente a rotina dos atletas, sabe que eles se utilizam de banheiras de gelo e bolsas de água quente para lidar com lesões e dores musculares e, de fato, existem estudos hoje que comprovam que a temperatura da água pode ajudar com o relaxamento ou a contração muscular – o que, de fato, seria interessante para a recuperação pós-treino. 

A ideia por trás dos banhos frios como uma forma de potencializar a recuperação do corpo tem relação com a capacidade vasoconstritora da água gelada. Ou seja, as baixas temperaturas fazem com que as veias se comprimam, reduzindo o trânsito sanguíneo pelo corpo. Isso diminui inchaços e inflamações, inclusive das fibras musculares depois dos treinos de hipertrofia. 

Um artigo publicado em 2017 na National Library of Medicine, confirma também que essa função da água fria colabora para um corpo menos dolorido nos dias seguintes à prática física. Fora isso, outros estudos dizem que banhos frios são vantajosos porque: 

  • Acalmam alergias e coceiras
  • Aumentam a oxigenação e o estado de alerta (ou seja, são bons para acordar!)
  • Melhoram a aparência da pele e do cabelo. 

As desvantagens dessa técnica são óbvias: banhos frios nunca são interessantes quando você já está com frio ou com o corpo frio (por exemplo, em um dia sem treinos), e também quando você está doente, sofrendo com gripes ou resfriados, já que a temperatura da água pode interferir com a recuperação. 

BANHO QUENTE NO PÓS-TREINO?

Continua após a publicidade

Agora, vamos para o outro lado. Os banhos quentes, segundo um estudo desenvolvido pela Universidade de Toyama, no Japão, melhoram a circulação sanguínea e relaxam a musculatura. Na prática, uma circulação melhor significa mais nutrientes e oxigênio entregues ao corpo, colaborando, em teoria, para a sua recuperação. O uso de saunas, aliás, também se tornou conhecido como um tratamento eficaz para pessoas com doenças cardíacas crônicas. 

Os banhos quentes também têm outros benefícios cientificamente comprovados: 

  • Colaboram para a limpeza da pele, já que abre os poros
  • Melhora sintomas de doenças respiratórias
  • Liberam a tensão muscular e ajudam a tratar a fadiga

Da mesma forma que os banhos frios, eles também têm pontos negativos: um dos principais é que a água quente conhecidamente resseca a pele e os cabelos, além de colaborar para a piora de condições prévias de pele, como eczemas e outras alergias ou inflamações. A água quente também pode aumentar a pressão arterial e causar coceiras em peles sensíveis. 

AFINAL, BANHO QUENTE OU BANHO FRIO?

Curiosamente, muitos treinadores acreditam que uma combinação das duas coisas é a melhor opção para os seus atletas. Um estudo divulgado em 2012 na International Journal of Sports Physiology and Performance, mostra que o contraste entre as águas fria e quente têm um efeito na circulação sanguínea, reduzindo dores e desconfortos corporais. No entanto, quando o assunto é a recuperação pós-treino, até mesmo esses estudos são inconclusivos. 

Tudo isso significa que, apesar de as pesquisas não darem uma resposta exata, ainda existe o famoso efeito placebo que, de fato, interfere na sua escolha de temperatura de água – e isso pode ser uma coisa boa! Afinal, um bom banho pode não fazer maravilhas comprovadas pela ciência para o seu corpo, mas o fazem para o seu emocional e psicológico. É um fato que um banho quente relaxa depois de um dia estressante, assim como um banho frio desperta quando você precisa de energia.  

Em resumo: a escolha é sua e vai muito do seu momento atual. A recomendação, no entanto, é não pecar pelos excessos, ou seja, tomar banhos ferventes ou muito gelados todos os dias, principalmente se você tem condições de pele atuantes, como alergias ou ressecamentos. Nesses casos, vale conversar com um dermatologista para descobrir a melhor opção para você. 

Além da temperatura da água, o mais importante é encontrar uma rotina de recuperação que funcione para você. Essa rotina pode combinar momentos de descanso com uma alimentação reforçada nos dias de treino, noites mais longas de sono ou alongamentos – o ideal é encontrar o que funciona para o seu corpo e ajuda, de fato, na sua recuperação. 

 

Continua após a publicidade

Publicidade