Continua após publicidade

Guia completo para entender a cefaleia tensional

Ansiedade, estresse e má postura estão entre os fatores que podem causar cefaleia tensional. Saiba mais!

Por Juliany Rodrigues
Atualizado em 4 jul 2024, 14h22 - Publicado em 4 jul 2024, 14h00

A cefaleia tensional é um dos tipos de dor de cabeça mais comuns. Suas causas ainda não são totalmente compreendidas, porém, fatores como ansiedade, má postura, tensão muscular e falta de sono podem contribuir para esse problema.

Sintomas da cefaleia tensional

De acordo com o Dr. Felipe Mendes, neurocirurgião e membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, a cefaleia tensional é caracterizada por uma sensação de pressão ou aperto ao redor da cabeça.

“Geralmente, a dor é bilateral e de intensidade leve a moderada”, diz. Algumas pessoas ainda podem apresentar um cansaço excessivo.

O Dr. Paulo Camiz, clínico geral, geriatra, professor da USP e do Hospital das Clínicas de São Paulo, afirma que a cefaleia tensional não costuma vir acompanhada de sintomas como vômitos, náuseas e hipersensibilidade à luz.

Continua após a publicidade

“Normalmente, ela também não apresenta uma piora durante a realização de esforços e atividades físicas“, completa o geriatra.

“É uma cefaleia que, apesar de não estar associada à complicações mais graves, pode atrapalhar a qualidade de vida e o rendimento diário do paciente”, ressalta Camiz.

Diagnóstico

“O diagnóstico de cefaleia tensional é feito principalmente com base nas queixas do paciente e na realização de exames físicos. Para excluir a presença de outras condições que possam estar causando a dor, exames complementares podem ser importantes”, resume o Dr. Fernando Gomes, neurocirurgião, neurocientista e professor livre docente da USP.

Tratamento da cefaleia tensional

O tratamento pode envolver desde o uso de medicamentos até mudanças no estilo de vida.

Continua após a publicidade

O Dr. Felipe revela que exercícios físicos regulares, gerenciamento do estresse, correção postural e técnicas de relaxamento podem ser eficazes para lidar com a cefaleia tensional.

Analgésicos, anti-inflamatórios e relaxantes musculares também podem ser recomendados, sempre com a supervisão médica adequada.

“Em casos mais persistentes, antidepressivos tricíclicos ou inibidores da recaptação de serotonina podem ser necessários”, destaca o neurocirurgião.

Prevenção da cefaleia tensional

Os especialistas listam dicas que podem ajudar a prevenir a cefaleia tensional:

Continua após a publicidade
  • Praticar técnicas de relaxamento;
  • Manter uma postura correta;
  • Movimentar-se regularmente;
  • Dormir bem;
  • Gerenciar o estresse;
  • Ter uma alimentação balanceada, evitando gorduras trans e açúcares;
  • Tomar a quantidade ideal de água por dia;
  • Fazer exercícios que fortaleçam os músculos do pescoço e dos ombros.
Publicidade