A relação entre o isolamento e sua dificuldade para fazer o #2

As longas horas sentadas estão afetando seu assoalho pélvico e causando problemas como até mesmo dores no sexo

Por Larissa Serpa Atualizado em 2 dez 2021, 20h12 - Publicado em 3 dez 2021, 15h03

Diversos médicos têm relato o aumento da queixa de dificuldade para evacuar entre seus pacientes, além de dores para fazer sexo. E, por mais que isso possa sim, ter uma raiz emocional em muitos casos, o que se tem observado é uma explicação fisiológica: o enrijecimento do assoalho pélvico.

“Nessa época de pandemia em que estamos vivendo, muitas pessoas estão trabalhando de suas casas e nem sempre contam com os móveis próprios dos escritórios, como cadeiras ergonômicas e mesas na altura correta. Além disso, o próprio ato de passar muitas horas diante de um computador pode fadigar os músculos, causando dores e demais problemas”, explica o Dr. Rodrigo Vetorazzi, Médico Ortopedista do Consulta Aqui (Grupo HAS).

E um dos grupos musculares afetados por essa rotina é o assoalho pélvico.

O assoalho pélvico é uma faixa ao redor da pelve (a área onde vivem a bexiga, o reto, o útero e a próstata) e, basicamente, mantém tudo unido e firme, atuando como uma tipoia para apoiar esses órgãos. “Ele é formado por músculos que são interligados a estrutura óssea, fáscias e ligamentos”, explica a fisioterapeuta pélvica, Juliana Domingues, da Clínica Alira.

Esse grupo também inclui os esfíncteres, que são os músculos que circundam a uretra e o ânus e que você usa para evitar fazer xixi, cocô ou soltar pum quando não quer.

RELAÇÃO ENTRE ASSOALHO PÉLVICO E PANDEMIA

spukkato
Alguns sintomas podem ser ser assoalho pélvico pedindo atenção / spukkato/Getty Images

Normalmente, as queixas em relação ao assoalho pélvico são sobre a flacidez dele, que causa incontinência urinária e fecal e até abortos espontâneos (já que os músculos são responsáveis por segurar o peso da gravidez).

Na pandemia, no entanto, por conta das longas horas sentadas, estamos vendo o efeito contrário: o enrijecimento do assoalho pélvico. Sem atividades mais estimulantes no dia a dia e com a “responsabilidade” de segurar o peso do corpo na mesma posição (sentada), o assoalho acaba encurtando e ficando rígido.

Nesse caso, os sintomas incluem dor na região pélvica ou durante o sexo e até dificuldades para urinar e evacuar.

Continua após a publicidade

COMO EVITAR DINFUNÇÃO DO ASSOALHO PÉLVICO DURANTE O ISOLAMENTO

  • faça pausas — ativas!

Você já ouviu inúmeras vezes que o saudável é fazer pausas durante o trabalho, certo? Mas essas pausas não devem ser para ver uma episódio curto do seu programa favorito sentado no sofá ou outra atividade passiva. Procure se manter ativo com atividades ainda que simples, como uma caminhada ou alongamento.

  • conheça o Kegel

Se você quer fortalecer o assoalho pélvico especificamente, o deixando mais apto para aguentar as horas sentadas sem encurtar, existem atividades direcionadas para ele, como os exercícios de Kegel. “O comando que utilizamos para o fortalecimento desses músculos no Kegel é contrair a vagina e o ânus, e relaxar. O relaxamento também é muito importante, pois um músculo saudável precisa saber fazer os dois. Portanto, exercícios de contrair e sustentar por alguns segundos são maneiras de fortalecer essa musculatura, podendo ser feito em diferentes posições”, conta Juliana, que ensina exatamente como praticar aqui.

  • pratique Pilates

Um estudo de 2014 analisou o efeito do Pilates na força da musculatura pélvica em mulheres e, após oito sessões, verificou-se que houve ganho significativo de força do assoalho pélvico. Outros estudos, feitos em mulheres com incontinência urinária, também mostraram que a prática melhorou muito a condição. Natália Lima, instrutora de Pilates do Espaço Tatva, explica que a prática pode auxiliar porque, durante os exercícios, o assoalho pélvico mantêm-se sempre contraído.

  • tente esse truque durante a musculação

Márcia Reis, professora de educação física em São Paulo, com especialização em treinamento de força, indica exercitar o períneo quando estiver fazendo ginástica localizada ou musculação. “Acionar o assoalho pélvico ajuda na contração mais eficaz do abdômen. Contraia o abdômen como se quisesse grudar o umbigo nas costas, ao mesmo tempo que fecha os músculos do assoalho pélvico, como se estivesse apertada para fazer xixi. Só depois disso, você começa os abdominais”, ensina Márcia. Nessa matéria nós também ensinamos exatamente como identificar esses músculos para se certificar de que você está acionando a região certa.

QUE OUTROS HÁBITOS PODEM ESTAR ENRIJECENDO MEU ASSOALHO PÉLVICO?

  • uso incorreto do banheiro
Mulher usando o banheiro
MangoStar_Studio/Thinkstock/Getty Images

Quando você usa o banheiro, é importante se concentrar em relaxar os músculos, em vez de empurrar.

A posição mais indicada para isso é assumir uma posição semelhante a um agachamento no vaso sanitário, com os pés apoiados em algo mais alto para que os joelhos fiquem um pouco acima do quadril. Isso permite que você relaxe e evacue os intestinos com mais facilidade.

  • hidratação incorreta
Mulher bebendo água
Halfpoint/Thinkstock/Getty Images

Esteja ciente do que você está bebendo. Prefira água em vez bebidas com cafeína ou gaseificadas, que podem afetar a evacuação, fazendo com que você force o assoalho. 

Continua após a publicidade

Publicidade