1º time africano de bobsled a competir em Olimpíadas é feminino

As atletas Seun Adigun, Ngozi Onwumere e Akuoma Omeoga são as primeiras de todo o continente a se classificarem para os Jogos de Inverno

Por Giulia Granchi, Gislene Pereira Atualizado em 17 fev 2020, 14h59 - Publicado em 21 nov 2017, 16h43

No mundo do esporte, estamos acostumadas a torcer por mulheres talentosas, fortes e inspiradoras de diferentes etnias. No entanto, alguns países ainda estão em falta no quesito representatividade de times femininos em certas modalidades e competições.

Era o caso da África (sim, o continente!), que nunca havia classificado nenhuma equipe de bobsled – esporte de inverno no qual duas ou quatro pessoas realizam descidas cronometradas em uma pista de gelo sinuosa e estreita dentro de um trenó – em competições oficiais.

A realidade mudou recentemente: as atletas Seun Adigun, Ngozi Onwumere e Akuoma Omeoga, não apenas estarão representando a Nigéria nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, que acontecerão na Coréia do Sul, mas também são as primeiras esportistas (independente do sexo) a se classificar para a competição – nenhum dos 54 países do território africano havia conseguido o feito antes.

https://www.instagram.com/p/BbhbUh-FFE5/?taken-by=ngozi.onwumere

“Este é um marco enorme para o esporte na Nigéria”, disse Adigun à KweséESPN, que competiu na modalidade de corrida de obstáculos nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. “Nada me deixa mais orgulhosa do que saber que posso desempenhar um pequeno papel na criação de oportunidades para os esportes de inverno ocuparem lugar na Nigéria. Nosso objetivo agora é ser a melhor representação da África que as Olimpíadas de Inverno já testemunharam”, completou.

Leia também: Atleta de 101 anos quebra recorde mundial em competição

https://www.instagram.com/p/BZte2hbHhPp/?taken-by=seun_msamazing

Continua após a publicidade

Segundo o site Jezebel, a jornada do time começou há um ano, com um trenó caseiro. Conduzida por Adigun, a equipe criou uma campanha de arrecadação de dinheiro no GoFundMe para conseguir os US $ 75.000 necessários para competir nos testes olímpicos. Após cinco provas de qualificação, as africanas garantiram a vaga.

“O trabalho árduo delas foi inspirador e espero que os nigerianos possam apreciar o que elas fizeram para conseguir isso”, disse Solomon Ogba, presidente da Federação Esportiva Bobsled e Skeleton da Nigéria, conforme relatado pelo site The Independent

E mais: Grace Autosport: a primeira equipe da fórmula Indy composta só por mulheres

Em apenas um ano, essas mulheres passaram de um trenó caseiro para os Jogos Olímpicos. Mal podemos esperar para torcer por elas – e é claro, para que outras mulheres também cheguem até lá!

View this post on Instagram

There's more to bobsled than just sliding on ice! The work these ladies ( @seun_msamazing, @ngozi.onwumere, @akuomaomeoga ) put in before a race is unimaginable. Here's an inside look from start to finish of Race #5 at the North Americas Cup 🏆in Calgary, Alberta. 🇳🇬 📽: @aminatodunbaku 🎼: @baddosneh #teamnigeria #wewill #nigeriabobsled #underarmour #lazer #bsfnigeria #nigerianathletes #calgary #ibsf #love #womenofpower #teamUA

A post shared by Nigeria Bobsled & Skeleton (@bsfnigeria) on

Assine nossa newsletter e fique por dentro das últimas notícias de BOA FORMA  

Continua após a publicidade

Publicidade