Afinal, qual é a função do sono?

Dormir, muitas vezes, soa como uma perda de tempo. Mas será que é isso mesmo? Exploramos o porquê de dormirmos e os seus benefícios para o corpo

Por Marcela De Mingo Atualizado em 26 jan 2022, 19h29 - Publicado em 4 fev 2022, 08h00

Médicos e especialistas sempre falam o quanto o sono é essencial para a boa saúde. E, às vezes, essa informação passa batido na nossa vida, deixada de lado por causa do trabalho, da vida social, dos filhos… Claro, imprevistos sempre acontecem, mas existe um motivo para passarmos quase um terço das nossas vidas dormindo. 

Vamos começar por partes: 

POR QUE DORMIMOS? 

gatinho laranja com listras brancas dormindo
Александар Цветановић/Pexels

Segundo a psiquiatra Maria Francisca Mauro, o sono tem uma função de restituição da nossa capacidade, tanto mental quanto física. “Durante este intervalo de horas, ocorrem mudanças do nosso estado mental que possibilitam uma forma diferente do nosso cérebro se comunicar”, diz ela. “Se no estado de vigília, quando estamos despertos, nossas ondas cerebrais são de ativação, ao longo da noite de sono nossas ondas cerebrais são intercaladas, tanto de ativação quanto de repouso.”

Com um gasto de energia bem menor, nós descansamos e restauramos a nossa energia. É também durante o sono que o corpo modifica os sinais químicos mediado pelos hormônios, regulando toda a distribuição hormonal do organismo – ou seja, dormir é, mesmo, um santo remédio. 

“Quando dormimos, nosso ritmo se modifica de ondas cerebrais mais rápidas para lentas, sendo que nossa arquitetura do sono é uma alternância de ritmos cerebrais que propiciam uma mudança entre níveis de profundidade diferentes do adormecer ao longo da noite”, continua. 

COMO O SONO INFLUENCIA NO NOSSO BEM-ESTAR? 

tendências de bem-estar para 2021
Tim Robberts/Getty Images
Continua após a publicidade

Se dormir é um remédio dos fortes para o corpo, já é possível imaginar porque ele interfere diretamente no bem-estar de uma pessoa, certo? De acordo com a psiquiatra, ele influencia, principalmente, na sensação de estar com energia e disposição para assumir e encarar o dia. Além disso, também auxilia para que a pessoa tenha uma sensação de que está relaxada e teve um ciclo satisfatório de descanso. 

“O sono é uma atividade sensível para todas as nossas funções do corpo e as ter preservadas é um marcador de boa saúde”, explica. 

Aliás, não acredite que dormir é uma perda tempo – ou que dormir pouco é o segredo para ser bem-sucedido profissionalmente. Nem mesmo os cochilos de meio de tarde são aconselhados. O ideal, mesmo, é permitir que o corpo siga o ciclo circadiano e descanse por completo e por um período longo, sem interrupções, para que traga todos os seus benefícios. E, afinal, quais são eles? 

  • Restauração celular (de músculos e tecidos, por exemplo);
  • Regulação das funções do cérebro (consolidando memórias e aprendizados experienciados no dia);
  • Regulação do humor (maior sensação de bem-estar);
  • Manutenção do peso; 
  • Manutenção da imunidade; 
  • Regulação das funcionalidades do coração (evitando pressão alta, por exemplo).

A falta de sono, claro, causa o oposto de tudo isso: contribui para alterações de peso e para o descontrole pressórico, piora o estresse e as sensações de esgotamento mental e físico, gera dificuldades de concentração e alterações no apetite (a famosa busca por alimentos “mais gostosos”). 

COMO CRIAR UMA ROTINA SAUDÁVEL DE SONO? 

Acordar, cama, sono
MangoStar_Studio/Thinkstock/Getty Images

Respeitar os sinais do corpo e suas necessidades. Criar uma rotina que respeite seus limites tanto físicos quanto mentais”, diz a psiquiatra. “Dormir não é um ‘luxo’, mas uma necessidade vital para todo nosso organismo, e precisa ser um momento de podermos nos resguardar para que possamos nos reintegrar.” 

O ideal, portanto, é reverter a visão que temos do sono. Ao invés de uma “perda de tempo” buscar encará-lo como uma ferramenta que vai auxiliar no maior rendimento em todas as áreas da vida. “Tanto o seu excesso quanto a falta podem ser indicativos de que não estamos em equilíbrio”, continua. 

Para criar a sua própria rotina de sono, você pode seguir as dicas abaixo:

  • Tenha horários para acordar e dormir todos os dias (evite o jet lag social!);
  • Evite telas por, pelo menos, uma hora antes de se deitar;
  • Opte por refeições mais leves à noite;
  • Opte por rituais de relaxamento à noite, como alongamentos, yoga ou um banho morno.

O principal, diz Maria Francisca, é compreender as suas demandas do momento, seja de estudos ou de trabalho, para se permitir relaxar verdadeiramente, mais até do que se prender apenas em horários, por exemplo. “Sem dúvida é um compromisso de cada um poder entender qual horário precisa acordar e como pode organizar seu dia da melhor forma”, finaliza. 

Continua após a publicidade

Publicidade