Continua após publicidade

5 passos para aliviar a tendinite e recuperar a mobilidade rapidamente

Movimentos repetitivos e sobrecarga estão entre as causas mais comuns da tendinite. Saiba mais!

Por Juliany Rodrigues
Atualizado em 9 jul 2024, 20h35 - Publicado em 3 jun 2024, 18h00

A tendinite é caracterizada pela inflamação dos tendões, estruturas fibrosas do nosso corpo que conectam o músculo ao osso. É um problema que pode acometer qualquer tendão do corpo, apesar de ser mais frequente nos cotovelos, tornozelos, ombros, punhos e joelhos.

“Essa condição causa dor e sensibilidade ao redor da articulação afetada, dificultando os movimentos“, afirma o Vitor Alvarenga, fisioterapeuta esportivo.

Causas da tendinite

De acordo com Vitor, as causas mais comuns da tendinite incluem movimentos repetitivos ou atividades que sobrecarregam os tendões, traumas ou impactos diretos nos tendões, o envelhecimento, que provoca a degeneração dessas estruturas, e a execução incorreta de exercícios físicos.

Diabetes, hipotireoidismo, infecções e doenças reumatológicas e imunológicas também podem aumentar o risco de tendinite”, completa o Dr. Claudio Ortiz, ortopedista e professor do curso de medicina da Universidade de Franca (UNIFRAN).

Sintomas da tendinite

O médico afirma que os principais sintomas da tendinite são:

  • Dor ao longo do tendão que piora ao movimentá-lo;
  • Sensação de formigamento;
  • Limitação da força;
  • Inchaço no local;
  • Rigidez e dificuldade de movimentação;
  • Sensação de crepitação ou estalos ao movimentar.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é feito, principalmente, pelo exame físico e pela avaliação dos sintomas e do histórico do paciente, a fim de identificar possíveis atividades que possam ter contribuído para a tendinite.

Continua após a publicidade

“Em alguns casos, podem ser solicitados exames de imagem como ultrassonografia e ressonância magnética para visualizar melhor o tendão inflamado“, diz o fisioterapeuta esportivo.

Para tratar a tendinite, é fundamental controlar os fatores que desencadeiam o problema, como os movimentos repetitivos, a sobrecarga e doenças subjacentes. “Medicamentos anti-inflamatórios podem ser prescritos para reduzir a dor e a inflamação”, destaca o ortopedista.

Além disso, sessões de fisioterapia também podem ajudar a lidar com a inflamação nos tendões. “Exercícios de alongamento e fortalecimento são importantes para melhorar a função do tendão. Massagens e outras técnicas podem ser indicadas para aliviar a tensão local”, conta o Dr. Claudio.

Em casos mais sérios, injeções de corticoides e terapia por ondas de choque extracorpórea podem ser feitas. “Quando os tratamentos conservadores não são eficazes, há a possibilidade da intervenção cirúrgica”, fala Ortiz.

Vale lembrar que hábitos saudáveis são indispensáveis para lidar com a tendinite, colaborando não só para o tratamento, mas também para a prevenção. Descansar adequadamente, fugir do sedentarismo, ter uma alimentação equilibrada e ficar longe dos vícios (tabagismo e álcool, por exemplo) são alguns dos cuidados recomendados.

O que fazer para aliviar a tendinite?

Aqui vão algumas dicas para você que está procurando o que fazer para aliviar a tendinite:

Continua após a publicidade
  • Evite atividades que causam dor;
  • Aplique gelo na área afetada por 15-20 minutos várias vezes ao dia;
  • Utilize uma bandagem elástica para diminuir o inchaço;
  • Mantenha a área acometida elevada;
  • Reduza a carga de esforço;
  • Faça exercícios de alongamento.

Quando a tendinite é preocupante?

Segundo o fisioterapeuta esportivo, a tendinite é considerada preocupante quando não melhora com o tratamento conservador e traz impactos significativos na qualidade de vida.

“Outro fato preocupante é quando a tendinite acontece repetidamente. Esse quadro pode indicar um problema subjacente que precisa ser investigado e tratado”, acrescenta Vitor.

“Sinais sistêmicos, por exemplo, febre e edema de vários segmentos, podem mostrar que a tendinite está associada a descompensação clínica de outras doenças“, alerta o ortopedista.

Em situações mais graves, essa inflamação pode causar até mesmo a ruptura do tendão.

Publicidade