Tudo o que você precisa saber sobre candidíase

Descubra suas causas, o que é, tratamento e como evitar a infecção

Por Amanda Ventorin Atualizado em 24 set 2021, 15h55 - Publicado em 5 set 2021, 10h00

Um biquíni molhado, calcinha sintética ou aquela exagerada no doce e pronto: aquela coceira “lá em baixo” começa e você já sabe o que significa. A candidíase, que atinge sete de dez mulheres ao longo da vida, é uma infecção fúngica causada pela Candida sp, o subtipo mais comum a Candida albicans e ocorre quando a imunidade está baixa ou com uso de roupas que diminuem a transpiração vaginal. Além disso, a utilização constante do anticoncepcional, antibióticos, diabetes, aumento frequência na relação sexual e até mesmo sobrepeso podem acarretar a candidíase. 

O QUE É

Roberta Ghiringhelli Simonaggio, ginecologista e obstetra e membro da Doctoralia, enfatiza que o microrganismo Candida costuma viver no organismo sem causar danos, mas que a Candidíase ocorre quando há uma proliferação exacerbada do fungo que é normalmente encontrado na pele, no aparelho digestivo e na área genital, mas sem causar danos. A candidíase pode se manifestar, além da vagina, na mucosa oral, na mucosa anal e na pele como um todo, mas principalmente em regiões de dobras, como mama, virilha e mamilo,  quando se está amamentando. 

SINTOMAS

Vermelhidão, prurido (coceira), ardência para urinar, corrimento vaginal esbranquiçado (o qual pode ter espessura pastosa) e odor desagradável são os principais sintomas da infecção e se engana quem acredita que apenas mulheres sofrem com esse problema. “O homem pode apresentar candidíase no prepúcio e na cabeça do pênis, que aparecem como bolinhas avermelhadas podendo arder na relação. Essa candidíase geralmente é transmitida por sua parceira(o). Se o homem ficar 10 dias sem relação, a candidíase some por si só, pois o pênis é um órgão que não acumula umidade. Além disso, o homem também pode transmitir a candidíase!”, alerta Marcia Regina Ono, ginecologista da AmorSaúde, rede de clínicas parceira do Cartão de TODOSApesar do incômodo, o tratamento é simples com pomadas vaginais e ingestão de comprimidos antifúngicos que ajudam a tratar e controlar a candidíase.

É uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível)?

A candidíase não é classificada assim, uma vez que o sexo não é a principal forma de contaminação. No entanto, evite transar enquanto não estiver curada, já que o seu parceiro pode desenvolver uma irritação na glande do pênis. E o homem infectado também pode passar para mulheres. Nesse período, o ideal é que o casal se submeta ao tratamento.

.

Continua após a publicidade

COMO EVITAR

Para evitar o transtorno (e o incômodo) da candidíase as ginecologistas recomendam, como forma de prevenir a proliferação dos fungos, manter a área genital limpa e seca, de preferência dormir sem calcinha e não utilizar absorventes diários, assim como roupas apertadas, para que a região não fique abafada. Manter uma alimentação saudável evitando doces e carboidratos em excesso (pois o açúcar facilita a proliferação de fungos) e investir no uso de sabonete neutro para higiene íntima.

Lavar as calcinhas no banho pode favorecer o problema?

Se você a deixar pra secar no banheiro não ventilado (que favorece o ambiente úmido) e a peça levar mais de 48 horas para secar, sim. O ideal é deixar a lingerie secar ao sol ou em local ventilado e evitar aquelas de tecidos sintéticos, que não deixam a pele respirar nem absorvem a umidade.

.

Continua após a publicidade

ALIMENTAÇÃO

Em primeiro lugar, abra o menor espaço possível para o açúcar, o principal vilão: “Os fungos precisam dele para 
se reproduzir”, diz a nutricionista Cristina Almeida Prado, de São Paulo, que recomenda os seguintes cuidados:

Troque os cereais refinados pelos integrais

Arroz, massa e pão brancos são absorvidos rapidamente, o que provoca picos de glicemia no sangue – uma festa para os fungos da candidíase. Refrigerante, doces e comidas ultraprocessadas são ainda piores: além de jogar muito açúcar na circulação, quase não contêm nutrientes – e só com eles você mantém sua imunidade fortalecida para o contra-ataque.

Use e abuse das ervas (orégano, tomilho e alecrim)

Além de darem mais sabor às preparações, elas têm ação antifúngica. Um alho cru por dia também oferece o mesmo efeito. Se preferir, coloque-o para curtir no azeite – você vai criar um tempero aromático e funcional para o dia a dia.

Prefira as frutas de baixo índice glicêmico

Kiwi, morango, amora, ameixa, framboesa, pera e abacaxi. E, em vez de transformá-las em suco, coma em pedaços – melhor ainda, com a casca e o bagaço (quando possível). Mais uma estratégia para desacelerar a escalada da glicemia: polvilhar sementes de linhaça ou chia nas frutas. É um café da manhã que não toma tempo, vai!

Compre castanhas e queijos em porções pequenas

Bom, queijos geralmente nos avisam quando já estão estragados – uma mudança de coloração e aquele cheirinho característico. Mas nem sempre
 é fácil perceber que as castanhas guardadas estão vencidas. Os dois itens são bastante suscetíveis à contaminação por fungos, então jogue fora as nuts esquecidas por muito tempo no armário

TRATAMENTOS

Recomenda-se o uso de fungicidas na forma de creme vaginal ou óvulo e de comprimidos via oral, que tanto a mulher como o homem devem tomar. Nesse período, não é recomendável manter relações sexuais.

Continua após a publicidade

Publicidade