Modelos magras demais serão banidas de marcas como Louis Vuitton

Documento assinado por designers de grandes grupos da moda pretende melhorar o bem-estar de quem está desfilando suas roupas

Por Marina Campos e Gislene Pereira Atualizado em 17 fev 2020, 15h07 - Publicado em 7 set 2017, 17h03

Mais um passo foi dado em direção a um padrão de beleza mais inclusivo: na última quarta-feira (06), junto com o início da Semana de Moda de Nova York, os grupos LVMH e Kering (responsáveis por gigantes como Gucci, Saint Laurent, Louis Vuitton e Christian Dior) anunciaram que não irão mais apresentar em seus desfiles modelos consideradas abaixo do peso ideal segundo o Índice de Massa Corporal (IMC).

Leia mais: NYFW terá primeira marca plus-size em desfiles

A medida – que vai afetar, no mínimo, as 33 marcas comandadas pelas empresas – pretende tirar das passarelas os tamanhos menores de 34 (feminino) e 44 (masculino), algo novo para Louis Vuitton, Christian Dior e Saint Laurent, que já receberam inúmeras críticas por selecionarem meninas ultramagras para participarem de suas campanhas.

A partir das próximas semanas de moda, os designers só poderão contratar modelos que apresentarem atestado médico que comprove o bom estado de saúde e também deverão providenciar terapeutas e psicólogos para acompanharem as meninas enquanto estiverem trabalhando.

 

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade