Senado aprova projeto que proíbe gordura trans nos alimentos

O Projeto de Lei também veta o uso de gorduras vegetais parcialmente hidrogenadas na indústria alimentícia

Por Redação Boa Forma - Atualizado em 28 abr 2017, 11h50 - Publicado em 27 abr 2017, 16h56

Nesta quarta-feira (26), os senadores da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovaram, por unanimidade, um projeto de lei (PLS 478/2015) da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) que veta a presença de gordura trans em todos os alimentos produzidos pela indústria.

O senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) alterou o texto original, incluindo a proibição de gorduras parcialmente hidrogenadas na fabricação alimentícia e estabeleceu um prazo de três anos para as empresas se adequarem à norma. “Priorizamos a vida, e não a validade dos alimentos”, afirma Amorim em nota.

Esses tipos de gorduras são usados para aumentar a validade de industrializados. Em excesso, elas contribuem para o colesterol ruim (LDL) subir e o bom (HDL), cair. No longo prazo, o quadro pode levar a episódios de derrame e infarto.

Para evitar que a indústria passe a utilizar gorduras animais e óleos vegetais ricos em ácidos graxos saturados – igualmente ruins para a saúde –, o projeto estimula o desenvolvimento de novas tecnologias. A proposta também exige que o Poder Público incentive, apoie e financie pesquisas que tenham como objetivo substituir gorduras trans e saturadas no processamento de alimentos.

Após aprovação na CAS, o projeto segue para tramitação na Câmara dos Deputados.

Continua após a publicidade
Publicidade