Jejum e dieta low carb têm relação com diabetes (para o bem e o mal)

Dois novos estudos mostram que essas estratégias alimentares para perder peso podem beneficiar ou prejudicar quem tem a doença

No Brasil, o número de pessoas diagnosticadas com diabetes cresceu 61,8% nos últimos dez anos, segundo a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada em 2017 pelo Ministério da Saúde. E não são somente os doces que podem influenciar no aparecimento (ou não) da doença, mas o que se coloca no prato e a dieta escolhida para perda de peso também.

É o que mostram dois estudos recentes: um que investigou o elo entre o diabetes e o jejum intermitente e outro que analisou a ligação entre a enfermidade e a dieta low carb, já conhecida e aderida por muitos brasileiros. Entenda essa história:

Jejum intermitente e diabetes

Uma pesquisa brasileira conduzida por pesquisadores do Departamento de Fisiologia e Biofísica da Universidade de São Paulo (USP) – apresentada no último sábado (19) durante o congresso da Sociedade Europeia de Endocrinologia, em Barcelona – alerta que interromper a alimentação por certos períodos pode aumentar o risco de se tornar diabético.

Na análise, feita com ratos, os cientistas investigaram os efeitos da prática em animais saudáveis e sem sobrepeso, que recebiam alimentos em dias alternados. Três meses depois, embora tenham atingido o que a maioria das pessoas que aderem ao jejum espera (emagrecimento e redução voluntária da quantidade de alimentos ingeridos), os bichinhos também foram identificados com mau funcionamento do pâncreas. O órgão é responsável pela insulina – hormônio que, quando não produzido pelo corpo em quantidade suficiente, leva ao diabetes.

Assine nossa newsletter e fique por dentro das últimas notícias de BOA FORMA

Dieta low carb e diabetes

De acordo com um trabalho recém-publicado na revista científica Pediatrics, o efeito de reduzir o carboidrato e aumentar o consumo de proteína é positivo para quem tem diabetes tipo 1, doença autoimune que aparece ainda na infância. Na pesquisa, os pacientes (crianças e adultos) que seguiram a low carb por uma média de dois anos – combinada a medicamentos em doses menores do que as exigidas em uma dieta normal – tiveram um maior controle do açúcar no sangue.

Veja também

Apesar dos bons resultados observados nas 316 pessoas que participaram dos testes, os autores alertam que os pacientes não devem tentar controlar a doença por conta própria – o acompanhamento médico é essencial! Além disso, ensaios clínicos maiores são necessários para determinar se comer menos carboidrato é mesmo uma estratégia indicada para os diabéticos.

Comentários
Deixe uma resposta para Andrea ADACCancelar resposta

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Em ratos??? Francamente, Jason Fang tem demonstrado há anos em HUMANOS que o jejum faz exatamente o contrário. Vão ler, pessoas, e não sites. Livros. Dos bons.

    Curtir