Continua após publicidade

Você vive estressado? Saiba como isso afeta sua saúde mental e física

Especialista em saúde mental dá dicas para você combater o estresse no seu dia a dia. Confira!

Por Juliany Rodrigues
Atualizado em 23 Maio 2024, 05h46 - Publicado em 29 abr 2024, 12h00

O estresse é uma resposta fisiológica comportamental normal do nosso corpo à situações que representam uma ameaça ou que nos dão medo. Segundo a Dra. Tamires Cruz, especialista em saúde mental, ele pode ser considerado um problema quando se torna constante na rotina de uma pessoa, favorecendo sintomas psicológicos e até mesmo físicos.

A médica afirma que problemas financeiros ou no relacionamento, sobrecarga de trabalho, mudanças, incertezas, angústias, má alimentação, sono insuficiente e dores são alguns dos fatores que podem estimular o estresse. Entenda os impactos a seguir!

Como o estresse afeta a saúde mental e física?

Um dos principais sintomas psicológicos do estresse é a baixa autoestima. “Isso pode acontecer principalmente se o indivíduo tem a impressão de que as pessoas ao seu redor têm sucesso em suas carreiras e ele não”, comenta.

Nesse sentido, a pessoa pode passar a ter uma visão negativa sobre a vida, perdendo o interesse em realizar os seus sonhos e desencadeando a depressão. “Costuma ainda acreditar ser solitária, mesmo que não seja”, destaca.

O estresse também nos torna mais suscetíveis a oscilações de humor e irritações, atrapalha o nosso relaxamento e pode baixar o desejo sexual.

Continua após a publicidade

Na nossa cognição, ele pode favorecer a perda de memória, que pode ser temporária ou de longo prazo, e a incapacidade de concentração.

Aumento ou diminuição do apetite, insônia ou excesso de sono e isolamento social são outros sintomas que podem ser causados pelo estresse.

“Pessoas muito estressadas tendem a adotar hábitos nocivos à saúde, como ingerir bebidas alcoólicas e fumar, a tomar decisões irracionais e a se tornar violento”, afirma.

Continua após a publicidade

Níveis de estresse descontrolados podem provocar dores agudas ou crônicas na área do peito e na cabeça e problemas digestivos, como prisão de ventre e diarreia.

Doenças cardíacas também podem derivar do estresse, assim como a obesidade, hipertensão arterial e doenças na pele, por exemplo, a acne“, aponta.

Como lidar com o estresse?

Nunca ignore o estresse. Sempre fique de olho nos sinais que o seu corpo dá e nas mudanças de comportamento. O acúmulo de tensões prejudica a qualidade de vida e te impede de atingir os seus objetivos. Por isso, é importante aprender a lidar com ele da maneira mais saudável possível.

De acordo com a Dra. Tamires, um dos passos mais necessários para gerenciar o estresse é descobrir a raiz do problema. “A pessoa deve tentar encontrar quando a tensão começou, pois, dessa forma, ela vai identificar a causa dela e combatê-la”, fala.

Para aliviar o estresse, a especialista em saúde mental recomenda que você se comunique com as pessoas ao redor sobre o que está enfrentando. Ela garante que desabafar ajuda a descarregar as tensões e emoções acumuladas.

Continua após a publicidade

Outra estratégia recomendada é aprender a gerir o tempo. “Às vezes podemos ter uma carga de trabalho gerenciável que se torna insuportável devido à má administração do tempo. Assim, podemos encontrar algum alívio do estresse por simplesmente aprendermos a planejar bem o tempo”, orienta.

O excesso de tarefas no dia a dia é uma das causas mais frequentes do estresse. Logo, conhecer as próprias limitações, estabelecer metas realistas e fazer pausas são estratégias indispensáveis para amenizar esse sentimento.

Praticar atividades físicas, incluir técnicas de relaxamento na rotina, comer bem, ter um sono de qualidade, socializar e ser altruísta também são passos cruciais para desfrutar de uma vida mais saudável e equilibrada.

Continua após a publicidade

Por fim, a médica enfatiza a importância de buscar ajuda profissional para tratar o estresse excessivo. “Nunca é bom ficar guardar seus sentimentos ou emoções negativas apenas para si mesma, pois isso só gera mais estresse. Obter orientações especializadas pode te auxiliar a encontrar a libertação e voltar a viver a vida normalmente”, conclui.

Publicidade