Elas são fitness sim, mas não seguem padrão

Mulheres com diferentes tipos de corpo provam que não temos que nos enquadrar em um modelo de beleza para levar uma vida mais ativa

Por Marina Oliveira (colaboradora) - Atualizado em 28 out 2016, 00h54 - Publicado em 12 jun 2016, 15h00

Cau Saad, 36 anos
A top personal trainer já foi alvo de críticas de seguidores que  não consideram o  shape dela adequado  para uma treinadora  física. Ex-jogadora de futebol profissional, Cau  ganhou peso quando a jornada  de trabalho se tornou mais intensa. A empresa cresceu e apareceram as palestras, as viagens e o stress. Mas o manequim nunca foi um impedimento para seguir adiante com a rotina fitness. “Eu não sou só um corpo e nunca terei o padrão imposto pela sociedade de hoje. Sou feliz por ser saudável e ter disposição para realizar minha jornada de trabalho”, diz Cau.

Reprodução
Reprodução

Paola Antonini, 21 anos
A modelo superalto-astral compartilha sua rotina fitness no Instagram para  os quase 700 mil seguidores. Após ter a  perna esquerda amputada  acima do joelho, por causa  de um atropelamento, Paola faz  questão de não esconder a prótese em fotos e vídeos em que aparece de shortinho ou biquíni. Com uma versão específica para a prática esportiva, ela frequenta a academia, os treinos de Cau Saad, aulas de dança e anda de skate. Nos preparativos para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, será uma das 12 mil pessoas que carregarão a tocha olímpica.

Reprodução
Reprodução

Vera Minelli, 51 anos
Ela tem um corpão que começou a ser esculpido cinco anos atrás, quando a filha  Gabriela Pugliesi readequou a própria rotina de alimentação  e exercícios e influenciou  a família toda. De Gabi, Vera  adquiriu o rigor com a alimentação, que evita doces e farinha branca, mas os exercícios sempre fizeram parte de sua vida. Todos os dias ela acorda às 6h e pratica musculação e aeróbio antes do trabalho. “Eu me sinto muito melhor hoje do que há dez anos e não tenho mais problemas para dormir. Um corpo fitness não tem a ver com músculo, é um corpo de uma pessoa que se cuida e está feliz com ela mesma”, diz.

Reprodução
Reprodução

Fabiana Murer, 36 anos
A atleta desistiu da ginástica artística aos 16 anos porque cresceu demais para  a modalidade (que  praticava desde os 7).  Mas, em vez de desanimar porque seu físico não era  adequado para o esporte que  amava, encontrou uma prática em que a sua altura de 1,72 m era valorizada: o atletismo. O técnico com quem trabalha até hoje bateu o olho em Fabiana e a encaminhou para o salto com vara. Ela não poderia imaginar que entraria para a história do esporte brasileiro ao conseguir a primeira medalha de ouro do país em um Mundial de Atletismo, em 2011. Nas Olimpíadas do Rio, nossa torcida vai ser por ela de novo.

Reprodução
Reprodução

Continua após a publicidade
Publicidade