Estar muito acima ou abaixo do peso pode tirar 4 anos de vida, diz estudo

A pesquisa utilizou dados do IMC (Índice de Massa Corporal) de quase 2 milhões de pessoas para chegar a essa conclusão

Cada vez mais é comprovada a importância de hábitos saudáveis e equilibrados para o bem-estar corporal. Um estudo recente concluiu que essa falta de equilíbrio pode, inclusive, diminuir a expectativa de vida. Segundo o resultado da pesquisa publicada pela revista científica The Lancet Diabetes and Endocrinology, estar muito acima ou abaixo do peso ideal pode reduzir até 4 anos de vida.

 (Pexels/Pexels)

Depois de analisarem os dados de aproximadamente dois milhões de pessoas que estavam registradas no sistema de saúde do Reino Unido, os pesquisadores concluíram que, entre os pacientes de 40 anos, quem estava dentro da média de IMC (Índice de Massa Corporal) saudável apresentava menos risco de morte. O método para calcular o IMC consiste em dividir o peso pela altura ao quadrado e, para adultos, é considerado ideal um intervalo entre 18,5 e 25.

O estudo revelou que a expectativa de vida de homens e mulheres acima do peso era de, respectivamente, 4,2 anos e 3,5 anos menor do que o grupo de pessoas que estavam dentro da média de peso saudável. Para quem estava abaixo do peso, o número subia para 4,3 anos a menos em relação aos homens e 4,5 para as mulheres.

Associadas ao Índice de Massa Corporal, foram analisadas diversas causas de mortes dos pacientes e, também, o histórico de saúde dos participantes saudáveis. O estudo concluiu que os integrantes dentro do IMC desejado não estavam livres da possibilidade de desenvolverem determinadas doenças, mas o resultado mostrou que quanto maior a diferença de peso da medida ideal, maior o risco de mortalidade.

Em entrevista ao site da BBC, a professora de Diabetes e Obesidade da Faculdade de Exter, no Reino Unido, Dr Katarina Kos, disse que o estudo apenas constatou o que há muito já se acreditava sobre a associação da saúde com o peso. “Dados de remissão de diabetes mostram como dietas de baixa caloria e perda de peso podem melhorar a doença, por exemplo”, compara Katarina.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s