Veganos podem tomar medicamentos e suplementos em cápsula?

Acredite se quiser, é preciso ficar atento à formulação, que muitas vezes pode contar com ingredientes de origem animal

Por Marcela De Mingo Atualizado em 21 dez 2021, 18h57 - Publicado em 28 dez 2021, 08h00

Seja um suplemento vitamínico ou um medicamento específico, o consumo de cápsulas é bastante frequente, certo? Mas e no caso de uma pessoa vegana? Será que esse consumo deve mudar de alguma forma? É o que vamos ver hoje. 

O veganismo e a reposição vitamínica

Normalmente, uma pessoa vegana tem uma grande dificuldade ao adotar uma dieta sem o consumo de carnes animais ou laticínios: a reposição de vitaminas e minerais que são encontrados, principalmente, nesses alimentos, como o ferro, a vitamina B12, o ômega 3 e o iodo. “Esses micronutrientes são essenciais para a manutenção da saúde. Sem eles, há perda de massa magra, flacidez, fraqueza, queda de cabelo, etc.”, explica a Dra. Andrea Martino, pós-graduada em nutrição clínica, esportiva, nutrigenômica, nutracêutica e ortomolecular.  

Além disso, a cultura aqui do Brasil inclui muitos tipos de carnes e derivados na alimentação cotidiana, o que também dificulta o processo de adoção do veganismo. Por isso, muitas pessoas acabam não adotando essa mudança de uma única vez e preferem reduzir o consumo de carne aos poucos”, diz.

É claro que o veganismo vai além de uma alimentação livre de alimentos de origem animal, é um estilo de vida que se expande a muitas coisas – inclusive produtos de skincare e até roupas. “Pouca gente sabe, mas sacolinhas plásticas, cola de madeira, cosméticos, cápsulas de medicamentos e até mesmo algumas marcas de açúcar utilizam matéria-prima animal. Essa é outra dificuldade encontrada por quem quer adotar o veganismo”, diz ela. 

A questão dos suplementos 

Por conta dessa dificuldade de consumo vitamínico, muitas vezes pessoas veganas precisam dessa suplementação para se manterem saudáveis. “A suplementação é muito importante para quem adota uma alimentação sem origem animal. Claro que o uso de suplementos veganos jamais irá substituir uma dieta equilibrada, mas eles regulam e suprem um possível desequilíbrio nutricional”, continua a especialista. 

Ainda assim, essas cápsulas podem ser um “perigo” para os veganos. Primeiro, caso o paciente comece a suplementação sem o auxílio de um profissional nutricionista. “Somente ele é apto a ver as carências nutricionais e direcionar o paciente para uma alimentação correta e saudável dentro da opção alimentar a que o paciente se propôs”, diz. 

Continua após a publicidade

O segundo perigo é a fórmula dessas cápsulas. Muitos produtos, às vezes até desconhecidos por nós, são feitos com matéria-prima animal – e isso pode incluir cápsulas de medicamentos e suplementos. “Por isso, é muito importante que os veganos se atentem a isso no momento de escolherem o que vão consumir”, aconselha. “Atualmente, existem alternativas no mercado que, ao invés de matéria-prima animal e substâncias químicas, utilizam gelatina vegetal. Um exemplo é a chamada ágar-ágar, extraída por meio do processo de fervura de algas vermelhas.”

Ou seja, uma pessoa vegana precisa se atentar ao seguinte passo a passo, quando o assunto é utilização de suplementos ou medicamentos: o primeiro, como já foi dito, é buscar uma orientação profissional

“Os suplementos alimentares são encontrados sob a forma de cápsulas, pós, pastilhas, líquidos, granulados, tabletes, etc. Cada suplemento tem um limite específico de nutrientes e, independentemente de qual o tipo escolhido, a orientação de um profissional é essencial”, explica. 

A suplementação em cápsula, por exemplo, não permite a dosagem segundo a necessidade e experiência, o que se torna um ponto de atenção. Além disso, alguns adultos e muitas crianças podem ter dificuldade em engoli-las, então também é necessário se atentar ao seu tamanho e até mesmo o sabor, embora a maioria não tenha nenhum gosto por conta do revestimento.

“Aos adeptos do veganismo, a dica é se atentar à fórmula da composição dessas cápsulas. Muitos suplementos se dizem veganos, mas não são. Portanto, confie nas marcas indicadas pelo nutricionista”, continua a Dra. Andrea. 

A boa notícia é que, com ajuda, é possível encontrar suplementos que suprem todos os tipos de necessidade. Colágenos veganos, por exemplo, são extraídos de proteínas vegetais, assim como muitas vitaminas veganas. As opções com base de arroz e ervilha, livres de açúcares e adoçadas com stevia e xilitol são algumas delas. 

“Também temos way à base da proteína de ervilha amarela, arroz integral biofermentado ao poder do amaranto e da quinoa. Temos BCAA composta somente por aminoácidos que ajudam na recuperação muscular, facilitando a hipertrofia”, enumera. “Temos combinações de proteína isolada da batata e da ervilha amarela, livres de glúten, soja e lácteos. E uma das opções que mais tem se popularizado são os suplementos à base de cúrcuma, uma planta com ação anti-inflamatória que atua no combate às dores e ao cansaço”, finaliza. 

Continua após a publicidade

Publicidade