Padel: conheça o esporte de raquete que vem ganhando espaço no Brasil

Mais fácil de ser jogado do que o tênis, o dinamismo da modalidade traz benefícios ao corpo e à saúde

Por Bruno Rodrigues (colaborador) Atualizado em 5 jun 2018, 12h43 - Publicado em 4 jun 2018, 18h56

Na quadra, quatro jogadoras divididas em duas duplas. Raquetes em mãos, rebatem a bola e contam com o auxílio das paredes para colocá-la em jogo. A descrição do jogo pode confundir a leitora: afinal, isso é tênis ou squash? Nenhum dos dois. Trata-se do padel, esporte de raquete que vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil.

  • Surgido oficialmente no México no fim da década de 1960, o esporte tomou corpo na Argentina, onde chegou a ter quatro milhões de praticantes, e atualmente vive uma febre na Espanha, onde há mais de cinco milhões de adeptos. No Brasil, pela proximidade com o território argentino, o padel é muito forte na região Sul, mas já há quadras e torneios espalhados por outras regiões do país.

    Apesar de ser parecida com o tênis, a modalidade apresenta algumas diferenças nas regras e no material utilizado para jogar. O saque, por exemplo, é feito na altura da cintura e depois que a bolinha tocar o piso uma vez. Outra especificidades: o jogo sempre acontece em duplas e a raquete geralmente é feita de fibra de carbono.

    Se essas distinções causam alguma estranheza em quem lê, aquelas que entendem do assunto afirmam ser mais fácil de aprender do que o tênis.

  • “Enquanto no tênis é muito mais demorado e difícil aprender a trocar bolas, no padel, como a raquete é menor e fica mais próxima da mão, as pessoas conseguem se divertir com muito mais facilidade”, diz Marcelo Russowsky, técnico da Seleção Brasileira Feminina de Padel, em entrevista a BOA FORMA.

    Continua após a publicidade

    Ambiente da quadra de padel

    As paredes de vidro (ou de cimento, em alguns casos) fazem do padel um jogo bastante dinâmico, envolvendo movimentação constante por parte das praticantes e um alto nível de concentração – a bolinha pode vir de todos os lados, o que requer uma noção espacial aguçada!

    “Logo depois que você aprende a jogar o básico, a troca de bola aumenta. Então, as pessoas interagem muito mais porque os pontos ficam mais longos, tendo um gasto calórico bem maior”, diz Marcelo. De acordo com o treinador, a parte cardiovascular também se desenvolve bastante, além da melhora nos reflexos e na coordenação motora.

    GymPass BOA FORMA: treine em mais de 12 mil academias por um valor fixo

    Benefícios do padel para as mulheres

    Rita Abrahão tem 56 anos e joga padel há pelo menos 20. Antes praticante do tênis, migrou de esporte pela facilidade de jogar e pela sociabilidade que o padel proporciona. “O tênis é um esporte cheio de técnica, um esporte solitário, aquela quadra enorme… No padel, em seis meses você está trocando bola. Os próprios professores possibilitam isso, pois eles fazem questão de dar a aula e rapidamente inserir a nova aluna em uma turma”, conta.

    Presente na academia Santo Padel, de São Paulo, de segunda a sexta-feira, ela não abre mão de suas horinhas dentro da quadra. E, segundo sua médica, não deve mesmo abrir mão de jogar.

    “Fui à ginecologista achando que estava entrando na menopausa e ela me disse o seguinte: ‘Seu corpo não está nem pensando nisso! Não pare com a atividade física’. A prática é boma para a minha saúde física e mental porque meu corpo está se mantendo jovem, se desestressa e vivencio uma socialização”, finaliza Rita.

    Roupas e acessórios para praticar padel

  • Onde praticar padel

    • São Paulo – Academia Santo Padel (Rua Castro Verde, 137)
    • Porto Alegre – Nika Padel (Av. Prof. Cristiano Fischer, 620)
    • Curitiba – Clube Curitibano (Rua João Parolin, 1 090)
    • Bento Gonçalves (RS) – Padel Pro (Rua Julieta Sassi Dreher, 524)
    Continua após a publicidade
    Publicidade