“É possível conquistar hipertrofia com exercícios isométricos?”

O personal das celebridades, Rafael Lund, indica três situações em que é indicado optar pela isometria

Por Daniela Bernardi Atualizado em 17 fev 2020, 15h03 - Publicado em 15 out 2017, 14h31

“Não muito. Até existe um ganho de massa magra, mas nem se compara aos resultados de um treino com movimentos dinâmicos. Opte pela isometria em três situações: se você está se recuperando de lesões ou tem limitações (uma dor ao agachar, por exemplo), para trabalhar musculaturas estáticas, como o core, e, por último, para intensificar um exercício.

Veja também: Sem tempo para a musculação? Esta tática vai otimizar seu treino

Vamos supor que você faça cadeira extensora para fortalecer o quadríceps. Na última repetição, mantenha a perna esticada sustentando a carga por alguns segundos para, assim, provocar ainda mais microlesões na região e gerar mais tônus. De resto, uma sequência exclusivamente isométrica não funciona quando o objetivo é hipertrofia”, diz o personal trainer das celebridades, Rafael Lund.

Envie suas dúvidas para boaformapersonal@abril.com.br.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=x3oWPaNoL-s%5D

Fique por dentro de tudo o que rola no mundo fitness com a newsletter da BOA FORMA

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade