Continua após publicidade

CBD para dores musculares: afinal, como o canabidiol pode ajudar?

Segundo profissional, a substância pode auxiliar na recuperação muscular quando há indicação médica. Veja como usar CBD para dores musculares

Por Ana Paula Ferreira
Atualizado em 7 nov 2023, 22h27 - Publicado em 20 nov 2023, 10h00

Apontado por uma série de pesquisas e estudos como um composto benéfico para a saúde, o canabidiol também pode ser um grande aliado das pessoas que têm o hábito de se exercitar. O motivo? É possível apostar no CBD para dores musculares.

De acordo com José Manzi, Diretor Médico da Simples Cannabis, empresa que auxilia e facilita a importação de medicamentos canábicos junto à Anvisa, o composto químico encontrado na planta de Cannabis pode auxiliar de forma significativa a recuperação muscular quando há recomendação médica adequada, ajudando atletas a se manterem bem física e mentalmente.

“Em 2018, a WADA (Agência Mundial Antidoping) liberou o uso do canabidiol nos esportes devido a descobertas de benefícios que o CBD poderia trazer para os atletas de alta performance e há estudos que sugerem importante melhora da qualidade de vida destes esportistas, especialmente entre os que possuem lesões e dor crônica”, explica o profissional.

O uso da cannabis medicinal por atletas auxilia, principalmente, por ser um anti-inflamatório natural. O composto ainda pode contribuir para melhorar a qualidade do sono, ajudando-os a descansar o suficiente para sua recuperação, facilitando o tratamento de lesões, com o alívio de dores, e na diminuição da ansiedade, que pode surgir antes de eventos esportivos.

CBD para dores musculares: quais são os efeitos?

Manzi explica que o CBD possui diversas ações que podem auxiliar nessa questão. Entre elas, a ação anti-inflamatória pode reduzir a inflamação que os exercícios físicos causam nos músculos, diminuindo, assim, a dor após as práticas esportivas. Além disso, o canabidiol também altera a própria percepção da dor no paciente, o que traz um alívio desta sensação.

Continua após a publicidade

“Um grande estudo realizado com jogadores profissionais de Rugby na Inglaterra demonstrou que, entre os atletas que utilizavam canabidiol, 80% apresentaram melhora da dor, 78% do sono e 32% da ansiedade”, aponta o médico, que também está à frente do corpo clínico de Simples Cannabis com 28 especialistas da área de saúde.

Para quem é indicado?

“O CBD demonstrou ser uma opção promissora para atletas, tanto amadores quanto profissionais, que enfrentam dores musculares ou articulares, seja devido à atividade física intensa ou condições médicas preexistentes”, afirma o especialista.

“Além dos benefícios para a gestão da dor muscular, o CBD pode ser indicado para pessoas que lidam com ansiedade ou distúrbios do sono, melhorando significativamente a qualidade de vida dos atletas, contribuindo para seu desempenho geral e bem-estar físico e mental.”

É importante ressaltar, contudo, que, embora haja evidências promissoras, a pesquisa sobre os efeitos específicos do CBD no desempenho esportivo ainda está em evolução, e atletas devem considerar consultar um profissional de saúde antes de incorporar o CBD em sua rotina.

Quando e como usar o CBD?

A maneira e a frequência de uso do CBD variam de acordo com a indicação e a forma de apresentação do medicamento. Para pessoas que sofrem de dores localizadas, como dores nas articulações, por exemplo, José Manzi afirma que uma opção eficaz é a aplicação tópica, ou seja, o uso de cremes, loções ou bastões diretamente na área afetada para alívio da dor.

Continua após a publicidade

“Por outro lado, os óleos e gummies para uso oral podem ser recomendados para tratar dores crônicas devido às suas propriedades anti-inflamatórias, potencial ansiolítico e capacidade de auxiliar no tratamento de distúrbios do sono.”

Aqui, também é necessário lembrar que os efeitos costumam ser mais pronunciados quando o canabidiol é usado de forma contínua ao longo de algumas semanas, sempre sob supervisão profissional.

Há contraindicações?

Toda medicação tem possíveis contraindicações. No caso do CBD, ser gestante ou lactante são contraindicações. Há também possíveis interações medicamentosas, como a interação com anticoagulantes, que deverão ser avaliadas pelo especialista que faz o acompanhamento. Por isso, é fundamental a avaliação e o acompanhamento de um profissional.

Há tempo de tratamento ou o uso é contínuo?

“O tempo de tratamento com CBD é altamente dependente da indicação médica. Em casos de doenças crônicas e incuráveis, como dores neuropáticas, esclerose múltipla, Parkinson e demências, o tratamento contínuo pode ser necessário para controlar sintomas e melhorar a qualidade de vida a longo prazo”, explica o médico.

Por outro lado, para condições que são passageiras ou que não requerem tratamento contínuo, o uso pode ser intermitente, sendo utilizado apenas durante a necessidade e interrompido quando os sintomas diminuírem ou desaparecerem completamente. O profissional que acompanha o paciente pode fazer os ajustes necessários durante o tratamento para adequar às necessidades da pessoa.

Continua após a publicidade
Publicidade