Quer correr 21K? Confira as dicas da nossa editora de fitness

Em sua terceira meia maratona, Daniela Bernardi testou novas estratégias que garantiram uma prova mais rápida e zero perrengues

Por Daniela Bernardi Atualizado em 17 fev 2020, 15h02 - Publicado em 27 out 2017, 10h23

Quando você cumpre sua meta fitness, parece difícil manter a motivação. Mas sabe aquela música Metamorfose Ambulante? No esporte é a mesma coisa: basta se reinventar. Participei pela segunda vez da SP City Half Marathon e, neste ano, meu incentivo foi correr mais rápido e, principalmente, aproveitar mais a prova. Então, fiz algumas mudanças importantes:

1. Levei os treinos a sério
Não adianta fugir da preparação
– ela fará toda a diferença no grande dia. Com isso em mente, tive forças para enfrentar o trânsito (e o frio) das manhãs de São Paulo e sacrificar alguns programas 
de domingo para seguir a planilha de 12 semanas que a assessoria Run&Fun preparou para mim. Sabia que os pequenos passos trariam grandes conquistas: diminuí três minutos e não parei nenhuma vez.

Leia mais: Corrida devolve à atriz de “Três é Demais” propósito para viver

2. Cuidei da alimentação
Antes da minha primeira meia, em abril de 2016, abusei da cerveja, da gordura – comi feijoada! – e dos derivados de leite. Claro que meu corpo respondeu: tive que fazer um pit stop no banheiro durante o percurso. Desta vez, excluí o álcool e preparei uma massa com molho vermelho para
a ceia pré-prova. Além disso, consumi um carbo em gel a cada 45 minutos – deu mais energia!

3. Contei com a tecnologia
Tão importante quanto um bom tênis é um relógio esportivo para acompanhar frequência cardíaca, pace e quilometragem (comprei
o modelo básico da Garmin, o Forerunner 35). Nos treinos, ele foi fundamental para cumprir as metas da planilha. Já durante a prova, usei o monitor para me forçar a acelerar quando via que meus batimentos ou ritmo haviam caído.

Leia mais: Conheça a Corrida Insana, prova com obstáculos infláveis gigantes

4. Aprendi a respirar
Meu maior pânico do trajeto
 são os túneis – escuros, quentes, claustrofóbicos e intermináveis. Ano passado, mal conseguia puxar o ar e tive que andar para retomar a calma. Agora, mantive a respiração bem profunda e contínua e o olhar no asfalto para não pensar nas paredes se estreitando. Funcionou!

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=7ZSAYaOSCwA%5D

Fique por dentro de tudo o que rola no mundo fitness com a newsletter da BOA FORMA

Continua após a publicidade

Publicidade