Relato pessoal: “Diabetes transformou a relação com meu corpo para melhor”

Ao descobrir que tinha diabetes, Bethânia Martins escolheu adotar hábitos mais saudáveis — com exercícios e alimentação equilibrada

Por Daniela Bernardi, Marina Campos Atualizado em 20 out 2020, 10h30 - Publicado em 14 nov 2020, 09h00

Confira, a seguir, o relato emocionante da psicóloga e nutricionista Bethânia Martins (@betha_rodrigues_martins), ao descobrir que tinha desenvolvido diabetes:

“Quando falam para você não se estressar tanto por motivos profissionais, leve a sério. Uma situação desagradável no trabalho acabou com meu emocional e me fez desenvolver um problema de saúde que revolucionou minha rotina para sempre: o diabetes tipo 1 [uma doença autoimune, associada à genética e que pode ser desencadeada por fatores externos]. Descobri aos 29 anos, depois de semanas sofrendo com os sintomas (emagrecimento, sede e cansaço). No dia do diagnóstico, estava com apenas 45 quilos – peso que nunca havia atingido – e fui internada assim que os exames saíram.

Ao conversar com o médico, fiquei em estado de choque. O que eu conhecia sobre diabetes? Absolutamente nada! Só sabia que ele precisava ser controlado e que podia levar as pessoas a ficar cegas ou a amputar partes do corpo. Imagine o susto! Chorei muito e neguei de todas as formas minha condição. Durante um ano, injetava insulina antes de cada refeição [é ela que coloca o açúcar para dentro da célula], mas não fazia mais nada para melhorar minha saúde.

Até que comecei a pesquisar sobre o assunto e descobri que esporte e uma boa alimentação fariam diferença na minha qualidade de vida – mais que isso, afastariam o risco de o quadro piorar. O problema principal na época era que, apesar de ser magra, açúcar e carboidratos dominavam meu cardápio.”

Ao descobrir a doença, Bethânia Martins tinha duas opções: se render ao problema ou encarar uma nova rotina com exercícios e alimentação mais equilibrada. Ela escolheu a segunda. Hoje, aos 45 anos, a mineira comemora a saúde sob controle. “Para começar, substituí o macarrão e o pão (eram seis unidades por dia!) pelas versões integrais. Também aderi às opções light dos doces e dos refrigerantes e passei a encarar a malhação três vezes por semana.

Natália Mitie Caneshiro/BOA FORMA

Logo meu percentual de gordura baixou de 22 para 19%, só que continuava muito dependente da insulina. Uma nutricionista, então, me ajudou a reformular meu cardápio: diminuímos o chocolate, a massa e as bebidas açucaradas. Também aprendi várias receitas para eu mesma preparar minhas refeições – até fiz um curso de culinária fit.

Como meu paladar ainda era louco por açúcar, encontrei trocas para substituí-lo, como um shake de abacate no café da manhã e frutas e iogurte no lanche da tarde. Quando o desejo aperta demais, faço um cupcake saudável. O prato do almoço também ganhou mais cores e o whey protein foi inserido no dia a dia. No jantar fora de casa, troco drinques por suco e peço o prato mais leve do restaurante (salada, salmão com legumes ou frango grelhado).

Minha rotina fitness também recebeu um boost: as aulas de dança viraram duas sessões de ginástica no dia (uma hora de bike, esteira ou escada pela manhã e, depois, musculação à noite). Não fico parada nem nos fins de semana, quando encontro meu personal ou vou correr ao ar livre. Não há viagem, trabalho ou qualquer emergência que me faça abrir mão de me exercitar – até aproveitei esta sessão de fotos com a Boa Forma, em São Paulo, para ir ao Parque do Ibirapuera.

View this post on Instagram

Que não nos falte energia pra fazer o que mais gostamos nessa vida. Uma quinta incrível pra mim e pra vcs ! #deleteoquenaotefazbem #goodvibes#bethaemorlando #orlando #run#running #endorfina#amocorrer❤

A post shared by Betha Martins (@betha_rodrigues_martins) on

Continua após a publicidade

Essas mudanças, sim, transformaram a forma como eu via o diabetes – além de fazer meu percentual de gordura chegar aos 14%. Hoje, ainda preciso injetar insulina todas as manhãs, mas, pelo menos, ela dura o dia inteiro, já que a atividade física e a alimentação saudável ajudam no controle da glicemia. Não sofro mais com os sintomas da doença e até meus exames mostram uma saúde perfeita.

Claro que passar por todo esse processo foi difícil – e ainda é, já que tenho que ficar sempre alerta –, porém o diabetes não me impede de ser feliz. Se eu pudesse dar uma dica às pessoas na mesma batalha, seria: faça sua parte, se coloque em primeiro lugar e nem por um segundo desista de uma vida plena e maravilhosa.”

RECEITA: CUPCAKE FIT DA BETHÂNIA

Ingredientes:

• 6 ovos;

• 1/2 xícara de whey protein de cacau;

• 1 colher (sopa) de cacau em pó;

• 1 xícara de adoçante culinário

• 1/2 xícara de aveia em flocos;

• 1/2 xícara de óleo de coco;

• 1/2 xícara de castanhas-do-pará picadas;

• 1 colher (sopa) de fermento.

Modo de preparo:

Misture tudo em uma batedeira (deixando a castanha e o fermento por último) e transfira para as forminhas de cupcake untadas com óleo de coco. Deixe assar por 12 minutos.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade