Relato inspirador de fotógrafa que passou por transição capilar

Pensa em assumir os cachos, mas não sabe por onde começar? O depoimento inspirador da curitibana Fernanda Santos pode ser o empurrão de que você precisa

Por Camila Neves (colaboradora) Atualizado em 17 fev 2020, 15h06 - Publicado em 21 set 2017, 18h32

“Cabelo enrolado é lindo, chama a atenção, é diferente… Mas dá trabalho! Na adolescência, só enxergava o lado do trabalho. No colégio, apelidos como miojinho, poodle e cabelinho ruim eram bem comuns. Eu ria, fingia que não ligava, mas no fundo odiava. Me sentia fora do padrão; bonito era ter cabelo liso.

Leia mais: Caspa no inverno: 3 passos para combater o problema

Perdi as contas de quantas vezes acordava de manhã e meus fios estavam armados. Passava água, quilos de creme e gel, e nada resolvia. A solução costumava ser um coque bem sem graça. Saía de casa frustrada. Nessa época, era pouca a variedade de produtos para cachos; tentava alternar entre três marcas mais um gel azul e finalizava com perfume para disfarçar o odor forte.

Antes e depois de Juliana Santos com transição capilar
Arquivo Pessoal/Reprodução Instagram

Até que surgiu a milagrosa escova progressiva, que prometia alisamento “sem danos”. Meus olhos brilharam. Marquei em um salão confiável após convencer meus pais. Era quase impossível ficar com os olhos abertos durante o procedimento, pois o formol ardia feito queimadura e o odor era impossível. Mesmo assim, estava feliz. Me emocionei ao ver o resultado. Após a primeira lavagem, porém, percebi que o produto só era ativado com o calor — começava ali uma relação de amor e ódio com o secador e a chapinha; passei duas horas diárias com meus aliados por dez anos da minha vida.

Leia também: Transição capilar: dicas práticas de quem passou pelo processo

Durante esse tempo, perdi as contas de quantas vezes apliquei formol — em média a cada dois ou três meses. Na mídia, uma quantidade sem fim de casos de couro cabeludo queimado, problemas respiratórios, queda capilar… Eu não ligava. Apenas me preocupava com a estética, em me sentir bem e bonita.

Há um ano, passei a reparar em meninas de cabelo cacheado, na proliferação de produtos específicos nas prateleiras e nos anúncios de TV, em vídeos na internet. Os questionamentos vieram naturalmente: E se eu tentasse? Como ficaria? Me aceitaria?

View this post on Instagram

…e então decidiu parar de lutar contra si mesma e ver como era de verdade. Descobriu que tinha um cabelo que ocupava o universo inteiro…e amou! 🦁🌻 💛#transiçãocapilar #cachosdeamor #todecacho #curlyhair #vamoscachearomundo #cachosbra #leaozinho #voltandoaoscachos #cachosbr

A post shared by Fernanda Santos (@fersantoss) on

Continua após a publicidade

A insegurança também foi inevitável. Medo do que os outros iriam pensar e falar. Medo de não me achar bonita. Mas precisava tentar! Amadureci a ideia e, pela primeira vez, coloquei a saúde em primeiro lugar. Saber que cabelo enrolado estava na moda ajudou, é claro. Li inúmeros relatos, dicas e frases de motivação. Me dei conta que seria o tipo de decisão que ajudaria a me reencontrar como pessoa. Imaginei como seria bom me livrar do secador, da chapinha e da progressiva. Mas como tudo tem seu preço, sabia que não seria fácil.

Parei imediatamente com a progressiva. Não tive coragem de me aventurar no Big Chop (BC), termo usado para o corte bem curto que tira de uma vez toda a química dos fios. Durante cinco meses, continuei a fazer escova para disfarçar a raiz crespa. Foi um período difícil e ler depoimentos de outras meninas que passaram pela mesma situação encorajou muito. Contar para o maior número de pessoas que estava em fase de transição e que deixaria meu cabelo natural crescer novamente também ajudou — para a minha surpresa, todo mundo apoiou.

E mais: Especialista em cabelo cacheado ensina como cuidar dos fios

Chegou o grande momento de assumir os cachos. Fui à farmácia comprar cremes hidratantes — essenciais para as cacheadas! — e coloquei em prática uma técnica chamada dedoliss, que é basicamente enrolar com o dedo pequenas mechas de cabelo para ganhar o formato encaracolado. Amei o resultado! Senti um peso sair das minhas costas, estava livre!

View this post on Instagram

Selfie pra mostrar não o que fiz com o meu cabelo e sim com o que deixei de fazer nele. Foram exatamente 10 anos com química, e agora 6 meses sem ela. To me amando mais que nunca ❤ Quem já passou por isso sabe o que eu to falando e sabe como isso é difícil. Ainda tem muito chão pela frente e muito cabelo pra enrolar também, então não vai rolar textão, mas ele já está na ponta da lingua. Por hora só agradecer o tanto de gente maravilhosa que está me ajudando e me apoiando! GO 🦁 #transiçãocapilar #todecacho #cacheadodeamor

A post shared by Fernanda Santos (@fersantoss) on

Continua após a publicidade

Ainda não cortei o cabelo, mas pretendo fazer isso em breve. Uso secador para ajudar a ficar mais definido, mas a chapinha já foi aposentada. Cada cacho que se forma é uma vitória. Tem dias que ele não enrola por nada, mas dou meu jeito. Apesar disso me sinto feliz e não me arrependo nenhum minuto de ter tomado essa decisão.

A transição gera mudanças dentro de você e essa mudança vem do coração. E tudo o que for externo será apenas um detalhe. Aceitação, amor-próprio, autoconhecimento. Algumas meninas já vieram me perguntar como estou lidando com isso e o que estou fazendo. Isso me deixou extremamente feliz! Saber que eu posso ajudar alguém a passar por isso também é muito recompensador.”

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade