Estudo diz que quem ganha pouco faz menos exercícios. Vire o jogo

Levantamento inédito do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) associou o sedentarios à desigualdade social

Por Daniela Bernardi Atualizado em 9 jan 2018, 19h25 - Publicado em 3 dez 2017, 08h00

Três fatores – tempo livre, recursos financeiros e valorização da modalidade pela comunidade em que vive – influenciam mais nas chances de você malhar do que seu sono. Sério! O Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou um estudo inédito que relaciona prática esportiva com desigualdade social.

Leia mais: 3 passos para sair do sedentarismo e se apaixonar por um esporte

Enquanto 60% dos brasileiros com renda acima de cinco salários mínimos se exercitam regularmente, apenas 49,5% que recebem de uma a duas vezes do valor mantêm um treino na agenda. A taxa também segue um padrão de acordo com gênero, raça e escolaridade (homens brancos e graduados são mais ativos). Lembre-se: um passeio no parque ou uma aula de dança já são um ótimo começo para mudar seu estilo de vida.

Assine nossa newsletter e fique por dentro das últimas notícias de BOA FORMA

Mais 3 dicas para movimentar seu corpo sem gastar muito:

1. 5 maneiras de malhar – mesmo se você não está matriculada na academia

2. 30 ideias (fáceis) de se exercitar sem gastar um centavo!

3. 4 maneiras de treinar sem gastar muito (ou até de graça!)

 

Continua após a publicidade
Publicidade