Dúvida da leitora: “A postura invertida da ioga traz benefícios?”

Segundo os praticantes, deixar a cabeça numa posição mais baixa que a do coração durante longos períodos aumenta o fluxo sanguíneo no cérebro.

Por Daniela Bernardi Atualizado em 17 fev 2020, 15h14 - Publicado em 6 jul 2017, 12h53

“A técnica faz parte das aulas de ioga e, quando isolada, não oferece tantas vantagens. Segundo os praticantes da modalidade, deixar a cabeça em uma posição mais baixa do que a do coração durante longos períodos aumenta o fluxo sanguíneo no cérebro, o que poderia ajudar na concentração e na redução da pressão arterial. Mas não existem estudos que comprovem esses efeitos específicos da invertida, apenas os que confirmam os benefícios da ioga de modo geral.

Leia mais: Como escolher peças confortáveis para praticar ioga e pilates

Quer aprender? Para ficar na postura, você precisa ter os músculos de core, ombros e pescoço bastante fortalecidos — são eles que sustentam o peso do corpo. Além de não ser fácil, há perigo para a cervical. Por isso, comece com algumas adaptações, como não tirar os pés do solo (formando um triângulo) ou a posição de vela (com as pernas para cima e as escápulas apoiadas). Nada de sair por aí tentando sozinha, sem a orientação de um instrutor, ok?”, responde Rafael Lund, mestre em ciência do esporte e o personal trainer de famosas como Deborah Secco e Flávia Alessandra.

Veja também: Holos50: faça o treino de 50 minutos para queimar 1 mil calorias

Dúvidas de treino? Envie para boaformapersonal@abril.com.br.

Fique por dentro de tudo o que rola no mundo fitness com a newsletter da BOA FORMA

  • Continua após a publicidade
    Publicidade