Melancolia de fim de ano: o que é e como pode afetar nosso coração?

Sentimentos de tristeza são cada vez mais comuns nessa época do ano. Veja como se livrar deles

Por Amanda Panteri 23 dez 2019, 18h59

Com mais um ano passando, é normal que as pessoas tirem um tempo para refletir e pensar em tudo o que aconteceu durante ele. Muitas delas, inclusive, chegam a ficar um pouco tristes e abatidas. O caso é tão comum que até já tem nome: melancolia de fim de ano, ou então síndrome de fim de ano. “Para muita gente, o período é motivo de festa, alegria e confraternização. Enquanto para outras é marcado por tristeza, apatia ou uma angústia que aperta o coração”, explica a psicóloga Marilene Kehdi. 

  • Ainda segundo ela, quem sofre com o problema geralmente experimenta sentimentos antagônicos, que podem ser gerados por uma série de fatores. São eles: solidão, problemas familiares, experiências negativas, frustrações e saudades do passado. “Pacientes que vivem de lembranças tendem a retomá-las muito mais. Isso causa uma enorme nostalgia”, diz a especialista. 

    Além disso, ainda temos que enfrentar as pressões – internas e externas – que geralmente acompanham a época do ano (estresse, tensão do cotidiano e cobranças por resultados). Afinal, dezembro simboliza o encerramento de um ciclo, que pode levar a reflexões negativas. “O excesso de cobrança interna paralisa. Por isso, é preciso mudar alguns padrões de pensamentos e até de comportamentos”, complementa Marilene. 

    A psicóloga dá dicas para evitar os sentimentos ruins durante o fim do ano: 

    • “É fundamental não fazer uma autoanálise rígida. Não se cobrar tanto”;
    • “Reconheça o que deu certo no ano e fortaleça isso. Em relação ao que não deu certo e aquilo que não funcionou,  leve consigo os ensinamentos. Compreenda que todas as experiências têm seu valor. São aprendizados”
    • “Tenha metas e objetivos, e principalmente motivações internas para realizá-los”
    • “Alimente pensamentos positivos. Esteja disposto a fazer coisas que irão gerar bons sentimentos em você”
    • “Tenha autoconfiança, exercite diariamente o amor próprio, o perdão para os outros e para si mesmo”
    • “Repense suas expectativas e idealizações. Respeite seus limites”
    • “Converse com alguém de sua confiança, verbalizar alivia e acalma. Se necessário for, faça psicoterapia, ela ajudará na elaboração e na ressignificação de experiências impactantes, e também proporcionará o  autoconhecimento, que é libertador e transformador.”

    Você sabia que a melancolia de fim de ano pode afetar até o nosso coração? 

    Pois é. O estresse, nervosismo e depressão estão intimamente ligados às doenças cardíacas. “Esses sentimentos de maneira crônica ou aguda liberam hormônios da glândula suprarrenal, principalmente a adrenalina e o cortisol. Essas substâncias levam ao aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, e podem interferir no metabolismo dos açúcares e gorduras”, diz o cardiologista Hélio Castello, diretor da AngioCardio. E esses efeitos, a longo prazo, obstruem as artérias e podem até causar problemas mais sérios, como um infarto ou acidente vascular cerebral (AVC). 

  • Por esse e outros motivos, cuidar da nossa saúde mental é importante, não importa a época do ano. “Além de manter a alimentação saudável – com pouco açúcar, sal e gorduras – e praticar atividades físicas. O controle do estresse, ansiedade e depressão deve fazer parte de nossos hábitos diários, pois afeta o corpo”, diz o cardiologista Marcelo Cantarelli, diretor da AngioCardio. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade