Jovem com hidrocefalia prova que a dança é para todo mundo

"Já fiquei internada várias vezes e foi triste não poder dançar. Não desisti e vocês também não deveriam", disse a bailarina Lizzy Howell, de 15 anos

Não é de hoje que a gente sabe os incontáveis benefícios da dança tanto para o corpo quanto para a mente — e, entre eles, estão inclusas a melhora na autoestima e na autoconfiança.

Leia mais: Por que a modelo plus size Ashley Graham é uma inspiração fitness

Nesta semana, mais uma linda história de superação tem surpreendido várias pessoas ao redor do mundo: um vídeo da bailarina norte-americana com hidrocefalia Lizzy Howell, de apenas 15 anos, fazendo uma série perfeita de fouettés (piruetas que exigem bastante técnica) já foi visto mais de 100 mil vezes e comentado por mil e duzentos usuários. A surpresa: as curvas de Lizzy são bem diferentes do que estamos acostumadas a ver nas apresentações de balé.

turning monday¿ #ballet#turn#balletdancer#dancer#foutte

A post shared by lizzy howell (@lizzy.dances) on

A adolescente já conta com mais de 40 mil seguidores em seu perfil no Instagram. São incontáveis as mensagens recebidas elogiando sua garra de não ter se deixado abater pelas críticas e pelo preconceito de integrar um universo que exibe corpos magérrimos.

Veja também: Maratona é só para os magros? Modelo plus size prova que não!

E o sucesso não acaba por aí: Lizzy foi chamada para ser a embaixadora do projeto Dancing For You, uma campanha que estimula a prática de diversas modalidades de dança por crianças e jovens portadores de necessidades especiais.

nutcracker auditions are in a month💃🏽

A post shared by lizzy howell (@lizzy.dances) on

“Eu danço há dez anos e posso dizer que o mundo da dança é duro! Ser uma dançarina acima do peso exige muita luta. Vários professores já me falaram que eu não chegaria a lugar nenhum se não emagrecesse”, confessou ela em uma postagem compartilhada na conta do projeto: “Com o passar dos anos, eu aprendi a não ligar para o que os outros dizem. Se as pessoas querem te colocar para baixo, ignore-os e mostre o quanto você pode realizar.”

Leia mais: Após superar compulsão alimentar, empresária elimina 32 quilos

Lizzy também contou que a atividade física passou a ter um papel fundamental em sua vida, após ter desenvolvido depressão durante o agravamento de um quadro de ansiedade. “Já fiquei internada várias vezes e foi triste não poder dançar. Eu não desisti e vocês também não deveriam”, revelou.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s